Relato: “Disse para minha filha revidar quando alguém batesse nela e me surpreendi”

Uma mulher explicou que deu à filha alguns conselhos para reagir quando sofresse bullying, mas não teve o resultado que ela esperava

Resumo da Notícia

  • Uma mulher desabafou em um fórum para mães
  • Katherine contou que uma criança estava praticando bullying com a filha dela
  • A mãe aconselhou a filha a revidar mas se surpreendeu

Escrevendo para o fórum “Cafemom”, Katharine Chan disse que sua filha voltou da escola e disse que um menino a empurrou quando ela estava no topo do escorregador. Ela perguntou à filha se ela havia relatado o incidente à professora, mas sua filha disse que não.

-Publicidade-

Katharine disse: “Eu sei que é difícil para a escola monitorar tudo o que acontece no parquinho. Empurrar, bater, beliscar … tudo isso ocorre em frações de segundos. E as crianças superam essas coisas muito rapidamente também. É difícil rastrear todos os pequenos incidentes. ”

Ela então questionou sua filha novamente, perguntando se ela havia empurrado o menino de volta. Mais uma vez, a filha disse que não. Katharine disse: “Fiquei irritada. Insisti: ‘Da próxima vez que alguém te empurrar, você o empurra de volta.'” A mãe explicou que sua própria mãe lhe disse para se defender e a aconselhou a beliscar outra menina quando tinha oito anos de idade.

A menina estaca sofrendo bullying na escola
A menina estaca sofrendo bullying na escola (Foto: Getty Images)

No dia seguinte, Katharine esperou para saber o que havia acontecido no parquinho e sua filha disse que ela havia sido empurrada mais uma vez. Katharine disse: “Eu perguntei: ‘Você o empurrou?’ Ela me olhou nos olhos: ‘Não, mãe. Não devemos copiar o que as outras pessoas fazem. Meu professor diz que bater é errado. Eu disse a ele para parar e pedi aos meus amigos que viessem me ajudar.'”

Sua filha então disse a ela que o menino tinha acabado de partir após o incidente. Katharine disse: “Tenho de admitir que fiquei um pouco desapontada. Queria que ela revidasse. Queria que aquele menino entendesse que não pode mexer com minha filha. Mas esses sentimentos diminuíram rapidamente porque comecei a me sentir humilde e impressionada com ela.”

“Ela teve a confiança de me dizer que não precisava seguir o que as outras pessoas estavam fazendo. Ela poderia resolver os problemas de uma forma que funcionasse para ela. Nesse caso, isso significava se juntar a seus amigos e pedir ajuda – algo que eu não pensei em dizer a ela no dia anterior. ”