Renata Capucci conta que teve depressão após diagnóstico de Parkinson: “Viver com esse segredo é ruim”

Renata Capucci, de 49 anos, revelou no podcast “Prazer, Renata” que recebeu o diagnóstico da doença de Parkinson em 2018. A jornalista disse que na época decidiu manter essa informação privada

Resumo da Notícia

  • A jornalista Renata Capucci revelou ter Parkinson
  • Ela contou sobre a doença no podcast "Prazer, Renata"
  • Renata também falou sobre o período que teve depressão após o diagnóstico de Parkinson, em 2018

Renata Capucci, jornalista da Rede Globo, revelou no podcast “Prazer, Renata” que foi diagnosticada com Mal de Parkinson em 2018, durante as gravações do programa que apresentava, “Popstar”.

-Publicidade-
Renata Capucci decidiu manter o diagnóstico de Parkinson em segredo na época
Renata Capucci decidiu manter o diagnóstico de Parkinson em segredo na época (Foto: Reprodução/ Instagram/ @rentacapuccioficial)

No momento do diagnóstico, Renata preferiu não levar a informação a publico e manter o diagnóstico como informação privada: “Eu fui diagnosticada com doença de Parkinson em outubro de 2018, quando eu tinha 45 anos. Hoje, eu tenho 49”, disse ela.

“Chegou minha vez de me libertar. Porque viver com esse segredo é ruim”, contou a jornalista. Além disso, ela explicou que os primeiros sinais do Parkinson passaram despercebidos: “As pessoas falavam para mim: ‘Por que você está mancando, Renata?’ E eu falava: ‘Eu não estou mancando’. Eu não percebia que eu estava mancando”.

Renata Capucci afirma que já encara o Parkinson de uma maneira mais positiva
Renata Capucci afirma que já encara o Parkinson de uma maneira mais positiva (Foto: Reprodução/ Instagram/ @renatacapuccioficial)

“Quatro anos depois, eu estou bem, eu sou feliz. Eu não quero virar mártir. Eu não quero que tenham pena de mim”, afirmou Renata, “Ao contrário, eu tenho orgulho da minha trajetória. Eu tenho orgulho da maneira como eu encaro essa doença, porque eu encaro ela de frente hoje”.

Capucci também contou como foi o momento do diagnóstico: “Aquilo caiu como uma bigorna em cima da minha cabeça”. No podcast, ela disse que já encara a doença de uma forma diferente: “Já passei por todas as fases, da depressão, da negação. Hoje, eu estou na fase cinco que eu olho a doença de frente e eu falo assim: ‘Senhor Parkinson, eu tenho você, você não me tem […] Eu me sinto feliz, apesar de tudo. Eu não sou café com leite por ter doença de Parkinson, eu faço todas as matérias. Não me sinto diminuída”.