Respiradores distribuídos pela USP já conseguiram salvar mais de 100 pessoas em Ribeirão Preto

O Hospital Santa Lydia recebeu 30 equipamentos distribuídos pelo Projeto Inspire, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo – e foi essencial no tratamento de pacientes contaminados com o coronavírus

Resumo da Notícia

  • A Escola Politécnica da USP organizou uma doação de 150 respiradores para hospitais de todo o Brasil para ajudar no tratamento da covid-19
  • Em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, os 30 equipamentos doados ao Hospital Lydia já conseguiram salvar ao menos 100 vidas
  • A iniciativa partiu do Projeto Inspire e é coordenada pela pesquisadora da USP Natacha Harumi Ota

Vitória! Os mais de 150 respiradores distribuídos pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) para auxiliar no tratamento do coronavírus já foram capazes de salvar muitos brasileiros. Em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, a iniciativa comandada pelo Projeto Inspire já foi capaz de poupar ao menos 100 vidas – e recentemente recebeu muitos agradecimentos dos médicos diretamente envolvido na cura de pacientes que contraíram a covid-19.

-Publicidade-

“Eu ainda não tinha mandado nenhum áudio agradecendo. Converso com a Natacha quase todos os dias para dar um retorno do funcionamento dos aparelhos, mas nunca tinha agradecido a disponibilidade das pessoas que estão por trás do projeto que nos dão o apoio”, contou a fisioterapeuta Lorena Aparecida de Brito, responsável pela coordenação da área do hospital em Ribeirão, sobre conversa com a pesquisadora Natacha Harumi Ota, coordenadora do projeto responsável pelas doações. “É muito bom saber que todo o trabalho está surtindo efeito positivo”, completou ainda a médica – em entrevista ao Portal Razões Para Acreditar.

O Hospital Lydia, em Ribeirão, recebeu 30 respiradores do projeto (Foto: Reprodução/ Razões Para Acreditar)

Para Natacha, a visão positiva de profissionais da saúde diante do projeto é um dos principais pontapés para continuar com cada vez mais inciativas que sejam capazes de auxiliar a área no tratamento da pandemia. “É extremamente satisfatório saber que a gente está fazendo o melhor para salvar vidas. Mas acima de tudo, somos nós que somos agradecidos por eles estarem se doando tanto por uma situação que eu pude ver de perto o quanto é complicada, difícil. Então quando eles agradecem a gente sente o quanto é importante para eles salvarem uma vida. A gente tem a certeza de que, para eles, salvar uma vida é muito maior do que um valor financeiro, enfim…”, comentou, também em entrevista.

Chegou o Prime Day da Amazon!

Nos dias 21 e 22 de junho, você terá descontos incríveis em todas as categorias do site. Confira as ofertas AQUI! As promoções são exclusivas para membros Prime, então se você ainda não é assinante, aproveite para fazer sua inscrição CLICANDO AQUI. A assinatura é de apenas R$ 9,90 por mês e, além de promoções especiais, você tem acesso a filmes, séries e desenhos animados, e direito a frete grátis nas compras do site. A assinatura é de apenas R$ 9,90 por mês e, além de promoções especiais, você tem acesso a filmes, séries e desenhos animados e direito a frete grátis nas compras do site. Membros Prime também ganham uma promoção de teste por 4 meses grátis para o Prime Music Unlimited

O Professor Raúl Gonzales Lima, integrante do Projeto Inspire, também falou um pouco sobre a importância de mergulhar de cabeça em um projeto tão importante no tratamento de brasileiros afetados para covid-19 – e, para ele, que é especialista em Engenharia Biomédica, é um orgulho imenso enxergar os frutos desse trabalho.

O projeto se torna uma grande corrente do bem entre voluntários e pacientes (Foto: Getty Images)

“Existe uma quantidade muito grande de gente, são voluntários engenheiros, médicos, fisioterapeutas, advogados, secretários torcendo para que nenhum paciente tenha dificuldade de ser ventilado”, declarou Raúl. E ainda completa, “Nosso sonho é que os respiradores possam estar presentes em abundância em todo o País e em outros países. Possam estar presentes em ambulâncias, aldeias, quartéis, navios, em ilhas remotas, nos hospitais de pronto atendimento e até mesmo nas UTIs”, finalizou.