Roblox: por que o jogo virou assunto e acendeu alerta para um problema sexual?

O aplicativo é muito popular entre as crianças e ficou ainda mais famoso durante a quarentena

Resumo da Notícia

  • O aplicativo Roblox ficou muito popular entre as crianças, principalmente na pandemia
  • Algumas salas que tem sido criadas no jogo, no entanto, não são apropriadas para o público infantil
  • Nesses espaços, conversas sobre sexo rolam soltas
  • É importante ficar atenta e conversar sobre o assunto com seu filho, mas sem surtar!

Você já ouviu falar de ‘Roblox’? Se tiver crianças em casa, provavelmente a resposta para essa pergunta é “sim”. O jogo ficou muito popular entre os mais novos, principalmente durante a quarentena, quando o ambiente virtual se tornou uma alternativa de diversão para muitas famílias. A brincadeira pode parecer inocente: em linhas gerais, consiste basicamente em criar seu próprio avatar e sair jogando. A plataforma teve um grande aumento na popularidade durante a pandemia, com 150 milhões de usuários mensais no final de 2020, de acordo com o Business of Apps. (Em comparação, o Minecraft tem 126 milhões.)

-Publicidade-

O game chama tanta atenção justamente por ter múltiplas possibilidades: nele, você pode criar uma própria versão de si mesmo, personalizando o avatar com roupas, cabelos e acessórios a sua escolha. Com o boneco pronto, ele sai por aí, no mundo do aplicativo, podendo brincar com vários jogos ou, até mesmo, conhecer pessoas novas com gostos em comum.

Roblox: entenda o problema sexual que está invadindo o jogo infantil
Roblox: entenda o problema sexual que está invadindo o jogo infantil (Foto: Getty Images)

O jogo, no entanto, vem enfrentando alguns problemas, principalmente preocupantes para uma plataforma formada majoritariamente pelo público infantil. Essas questões foram colocadas à tona por uma reportagem recente feita pela BBC, que acendeu o alerta para a situação.

O que está acontecendo é o seguinte: com o passar do tempo, ao caminhar pelos “universos” do jogo, algumas características começaram a mudar. Em certos espaços gerados pelos usuários, em vez de personagens coloridos, com características diferentes, os jogadores podem ver pessoas nuas, strippers, bares e até mesmo avatares tendo relações sexuais em frente a vários outros.

Os jogos sexuais que pouco a pouco começaram a aparecer na plataforma são comumente referidos como “condos” [condomínios, em inglês]. Nesses espaços, as conversas assumem outro teor. Por lá, as pessoas podem falar de sexo ou praticar atos sexuais virtualmente por meio dos avatares.

Não deixe o pânico tomar conta da sua família

Antes de qualquer coisa, é importante ter calma: se o seu filho costuma usar e brincar no aplicativo, isso não necessariamente significa que ele já tenha passado por uma dessas salas. “A cada dia, vai aparecer uma história diferente nas redes. Os pais precisam deixar a ingenuidade de lado e entender que a internet não é um lugar feito para ser seguro, mas sim um espaço de profunda pluralidade. 57% da população tem acesso à internet, é impossível ter segurança em um local com mais de 4 bilhões de pessoas”, explica Ivanice Cardoso.

De acordo com especialistas, esses desafios não devem ser o maior de todos seus medos como pai ou mãe. “Não é o tempo que a criança passa na internet, mas sim a relação dela com esse meio. Cortar totalmente o acesso do seu filho às redes sociais não ajuda. A criança fica ainda mais suscetível aos perigos e não aprende a separar o que é bom ou ruim na internet. Além disso, ela pode ter acesso a conteúdos inadequados na casa de amigos ou de crianças mais velhas”, defende Roberta Bento, especialista em educação e neurociência cognitiva, fundadora do SOS Educação e mãe de Taís.

Busca ativa

O Roblox está ciente desses espaços virtuais que violam o propósito do aplicativo e, em nota dada à BBC, contou que assim que ficam sabendo da criação de um “condo”, o aplicativo trabalha para tirá-lo do ar. No geral, essas “salas” costumam ficar abertas por menos de uma hora.

“Sabemos que há um subconjunto extremamente pequeno de usuários que deliberadamente tentam quebrar as regras”, disse um porta-voz do jogo à BBC. “Realizamos uma revisão de segurança de cada imagem, vídeo e arquivo de áudio carregados no Roblox, usando uma combinação de detecção humana e por máquina”, continuou.

Roblox ficou muito popular entre as crianças na pandemia
Roblox ficou muito popular entre as crianças na pandemia (Foto: Reprodução/Getty image)

Apesar das revisões, alguns itens acabam passando despercebidos. Como Larry Magid, presidente da ConnectSafely, uma organização sem fins lucrativos que visa a conscientização sobre a segurança online das crianças, descreveu à BBC, trata-se de um “jogo de gato e rato”. “Há pessoas fazendo de tudo para enganar o sistema”, explicou.

Os “condos” são um desses exemplos de grupos que tentam enganar o sistema que são particularmente difíceis de encontrar. É preciso fazer uma busca ativa para de fato localizá-los e retirá-los do aplicativo.

E as crianças, ficam como?

“Mesmo que muitas das interações que as crianças terão no Roblox são com outras crianças, como toda plataforma interativa, também tem adultos ali – incluindo possíveis abusadores – à espreita do Roblox”, adverte Josh Nelson, diretor de campanha da ParentsTogether, uma organização sem fins lucrativos voltada para a família. com mais de 2,5 milhões de membros nos Estados Unidos, à Parents.

Essas situações de interação entre crianças e adultos são um dos pontos preocupantes em relação ao uso do aplicativo pelos mais novos. O que acontece, em linhas gerais, é que o aplicativo tem uma ferramenta de trocas de mensagens onde os usuários podem conversar entre si – e com todos os outros jogadores. O problema é que os chats que acontecem nos espaços dos “condos” não são apropriados para crianças.

Para tentar evitar esse tipo de problema, o aplicativo contou em entrevista à BBC que criou ferramentas para controle dos pais com o objetivo de “restringir com quem as crianças interagem e quais experiências elas podem acessar”. Mas claro, que, para isso, é necessário que os pais estejam presentes e aprendam como ativar essa proteção.

Mesmo com a proteção ativada, é importante, sempre que possível, ficar atento ao que seu filho está consumindo no aplicativo, regra que vale para toda e qualquer interação que ele tiver online. “Como muitas outras plataformas de jogos, o Roblox tem elementos de auto policiamento, incluindo moderadores e regras, mas sempre há maneiras de indivíduos com intenções erradas entrarem na plataforma e na sala de bate-papo do seu filho”, aponta Jordan.

Claro que não vai ser sempre que você vai conseguir estar ao lado dele para observar. Por isso, a dica é sempre conversar e manter um diálogo aberto para que ele possa vir até você caso notar algo estranho ou desconfortável. “O acompanhamento dos pais e o canal de comunicação sobre o uso da tecnologia é fundamental para que as crianças estejam seguras e saibam usar de forma correta as plataformas digitais”, considera Nathalia Pontes, filha de Arlete e Benedito, coordenadora de pesquisa e desenvolvimento educacional na PlayKids. Ouvi-lo contar sobre as aventuras online fará com que ele se sinta acolhido e, assim, você vai poder ter uma proximidade e um controle muito maior sobre o que o filho faz quando está conectado.

“Diálogo e orientação são essenciais. Mas quando a questão é segurança e bem-estar das crianças é ‘papo reto’, sem floreios. Assim como damos orientação quando vamos ao shopping, é direito da criança saber quais são os seus riscos online”, indica. “Quando os pequenos sentem que estão em um ambiente acolhedor e seguro,  fica mais fácil que eles criem discernimento e contem quando algo impróprio é apresentado”, completa.

Abra o jogo com o seu filho sobre tudo que está acontecendo em casa
Roblox ascende a importância dos pais terem o diálogo aberto com os filhos (Foto: Getty Images)

Como ativar o controle parental?

Ativar o controle parental no aplicativo é um primeiro passo importante para diminuir as probabilidades do seu filho entrar em contato com interações inapropriadas. Aprenda o passo a passo:

  • Faça login na conta.
  • Clique no ícone de engrenagem e, em seguida, clique em Configurações.
  • No lado direito da página Configurações, clique em Privacidade.
  • A partir daqui, você pode ajustar as configurações de contato e outras opções.
  • Se seu filho tem 12 anos ou menos, você pode escolher “Amigos ou Ninguém”. Na primeira opção, ele só poderá falar com amigos que tiver adicionado na plataforma. Na segunda, a opção de conversa é automaticamente bloqueada
  • Se seu filho tiver 13 anos ou mais, há opções adicionais para interação com outros jogadores.

Me ajuda! Ainda não entendi o que é o Roblox

Anunciado como uma “plataforma de imaginação”, o Roblox é uma plataforma gratuita de criação de jogos disponível em todos os smartphones, tablets, computadores, Xbox One, Oculus Rift e HTC Vive, onde os usuários podem projetar e fazer upload de seus próprios jogos em um programa proprietário chamado Roblox Studio para jogar em uma comunidade global, explica Titania Jordan, diretora de pais do aplicativo de controle parental Bark e autora de Parenting in a Tech World, em entrevista à Parents.

Em seu site, Roblox explica que isso significa que os jogadores podem construir parques temáticos, competir como piloto de corrida profissional, estrelar um desfile de moda, se tornar um super-herói ou simplesmente projetar uma casa dos sonhos e sair com os amigos. É basicamente uma junção de tudo em um só. “A plataforma oferece milhares de jogos gratuitos criados por usuários”, diz Jordan. “É extremamente popular entre todas as idades, mas sua funcionalidade fácil de usar, ferramentas criativas e jogos gratuitos o tornam especialmente atraente para jovens jogadores”.

Embora os usuários possam acessar um número infinito de jogos sem pagar um centavo, a plataforma tem sua própria moeda chamada “Robux”, que pode ser usada para comprar recursos adicionais, e as crianças provavelmente vão querer se inscrever no Builders Club, que também fornece recursos adicionais por uma taxa de associação, de acordo com a Common Sense Media.