São Paulo muda regras de quarentena para fase laranja em quatro regiões: entenda novas restrições

Durante a coletiva de imprensa no início desta tarde (8), o Plano São Paulo sofreu algumas alterações e deixou quatro municípios na fase laranja

Resumo da Notícia

  • O Plano São Paulo foi desenvolvido como forma de atuar na prevenção do novo coronavírus
  • Confira o que muda a partir desta sexta-feira, 8 de janeiro
  • O Brasil atingiu a marcar de 200 mil óbitos pela doença

Nesta sexta-feira, 8 de janeiro, o governo de São Paulo atualizou o Plano São Paulo, a partir de uma coletiva de imprensa, tornando algumas medidas mais restritivas, além de rebaixar Marília, Sorocaba e Registro para a fase laranja. Contudo, Presidente Prudente, que estava na fase vermelha, subiu para a fase laranja. As outras cidades do estado, representando 90%, estão na fase amarela.

-Publicidade-
O Plano São Paulo sofreu alterações entre as fases verde, laranja e amarela (Foto: reprodução / vídeo / YouTube)

Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde de São Paulo, lamentou sobre o Brasil ter chegado às 200 mil mortes. “Foram pais, mães e filhos que tiveram suas histórias interrompidas a partir de uma doença que, agora assim poderá ser prevenida, através da vacina“. Ele ainda comentou sobre o aumento dos casos: “A pandemia recrudesceu por culpa de poucos. Poucos que, infelizmente, impactaram nas nossas estatísticas. Poucos que não respeitaram as normas sanitárias e as orientações da saúde. Pessoas que se aglomeraram, não usaram máscara, festejaram de uma forma irresponsável e colocaram tanto os seus familiares quanto amigos em risco”, completou.

De acordo com os dados apresentados pelo governo, houve um aumento de 30% no número de novos casos, além de 34% de novos óbitos, que pode ter acontecido por conta dos feriados únicos. Revisto pela 17ª vez, o Plano São Paulo sofreu algumas alterações, tornando mais duro a mudança das fases.

-Publicidade-

Atualização dos critérios

Para avançar para a fase verde, será necessário agora que os municípios alcancem 30 internações por 100 mil habitantes e 3 óbitos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Já para a classificação na fase laranja, o parâmetro será medido a partir das taxas de ocupação UTI Covid, sendo necessário alcançar 70%.

No modelo antigo, para avançar para a fase verde a região precisava alcançar 40 internações por 100 mil habitantes e 5 óbitos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. E na fase laranja, 75% das ocupações UTI Covid. Dessa maneira, a partir das modificações, os municípios deverão mostrar melhores números para transitar entre as fases. “A fase laranja é a garantia que temos de não promover uma ocupação intensa dos leitos de terapia intensiva de forma abrupta, impedindo a desassistência da nossa população”, explicou o secretário de Saúde.

Veja as novas classificações (Foto: reprodução / vídeo / YouTube)

Mudanças no funcionamento de comércios e outras atividades

Com as novas regras, também houve alterações no funcionamento das atividades das fases laranja e amarela em relação à economia. Na fase laranja, haverá a ampliação das atividades permitidas em todos os setores, com capacidade aumentada de 20% para 40% de ocupação. O funcionamento máximo foi limitado de 4 para 8 horas por dias e os parques estaduais poderão funcionar. No entanto, o atendimento presencial em bares está proibido, além da restrição até às 20 horas nos estabelecimentos de atendimento presenciais.

No caso da fase amarela, todas as atividades poderão estar em funcionamento, com ocupação de até 40% e respeitando 10 horas por dia. Os parques estaduais também podem se manter abertos. Para bares, a restrição de atendimento presencial é até as 20 horas e em outros estabelecimentos até as 22h.

Para a economia, também houveram mudanças, permitindo que todos os comércios possam abrir na fase laranja, mas com restrições (Foto: reprodução / vídeo / YouTube)

Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, reforçou que as medidas de segurança devem ser seguidas: “Os próximos seis meses são críticos, temos a esperança da vacina, mas também a responsabilidade de manter o controle da pandemia como tivemos em todo o ano de 2020”.

Vacinação

Sobre o plano estadual, Jean Gorinhteyn informou que a data de início ocorrerá em 25 de janeiro para o primeiro grupo: idosos, indígenas, quilombolas e profissionais da saúde. Ao falar sobre o plano nacional, o secretário disse que caso a data seja antecipada, o estado de São Paulo fará o mesmo, mas em caso de postergação, o dia 25 de janeiro será mantido e não abrirá mão de uma nova data.

-Publicidade-