São Paulo recebe mais de 5 milhões de doses da vacina do Butantã ainda esta semana, diz governo

Em uma coletiva de imprensa feita na última segunda-feira, 21, o governador João Dória deu notícias sobre as doses da vacina do Butantã e reforçou que as aulas presenciais voltam em fevereiro de 2021

Resumo da Notícia

  • O governador João Dória participou de uma coletiva de imprensa na última segunda-feira, 21
  • Ele reforçou que a vacina do Butantã será em breve distribuída entre a população
  • Dória também reforçou que as aulas presenciais voltarão em fevereiro de 2021

Nesta segunda-feira, 21 de dezembro, o governador João Dória participou de uma coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes para dar novas informações sobre o processo de vacinação da população do estado de São Paulo. Iniciando o discurso, João Dória atualizou a quantidade de perdas causadas pelo Covid-19: são 186 mil mortes no Brasil.

-Publicidade-
Doria fala sobre nova fase de flexibilização da quarentena (Foto: Facebook / Governo de São Paulo)

O governador voltou ao assunto vacinação logo em seguida. De acordo com ele, no dia 24 de dezembro, véspera de Natal, São Paulo irá receber o maior lote de vacinas já desembarcadas no Brasil: serão 5 milhões e meio de doses da vacina do Butantã. Hoje, 21 de dezembro, São Paulo conta com 3 milhões de doses da vacina armazenadas em segurança no Instituto Butantã.

Segundo o governador, ainda em 2020, até o dia 31 de dezembro, chegarão em São Paulo mais dois carregamentos da vacina do Butantã. Serão 400 mil doses no dia 28 de dezembro e mais 600 mil no dia 30 de dezembro. Até o último dia do ano, São Paulo terá 10 milhões e 800 mil doses da vacinação criada pelo Instituto Butantã.

João Dória relembrou que o plano de vacinação em massa no estado de São Paulo começa em 25 de dezembro. Além disso, anunciou que São Paulo está adicionando 100 milhões de seringas e 100 milhões de agulhas para o estoque de vacinação contra a Covid-19, a fim de atender toda a população.

Em seguida, passou a palavra para Dimas Covas, diretor do Instituto Butantã, que afirmou ter passado pelo maior desafio da história da instituição. “Começamos a nos preparar no começo da pandemia e tomamos uma série de medidas que foram essenciais”. Dimas ainda falou sobre a existência de um soro anticoronavírus, que ainda precisa ser aprovado para testes, e ressaltou de que soro é diferente de vacina e diz respeito ao tratamento da doença.

O secretário da saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, reforçou a importância de respeitar o isolamento social. “Estamos na 52ª semana epidemiológica e o vírus está cada vez mais perto de nós”. Segundo ele, nas últimas quatro semanas tivemos um aumento de 54% do número de casos, 34% no número de óbitos e aumento de 13% no número de internações.

Quando questionado sobre a volta às aulas presenciais, mesmo se o estado regredisse para a fase laranja ou vermelha, Dória foi categórico e disse que as aulas em escolas voltarão a acontecer em fevereiro de 2021, como foi anunciado anteriormente.