São Paulo retira uso obrigatório de máscaras em locais abertos a partir de 11 de dezembro

Em anúncio realizado pelo governador João Dória, o uso obrigatório das máscaras ao ar livre em São Paulo está liberado a partir de 11 de dezembro

Resumo da Notícia

  • No dia 11 de dezembro o uso das máscaras ao ar livre não será mais obrigatório São Paulo
  • O governo segue estimativas e dados de vacinação da população
  • Estipula-se que todas as medidas para liberação do uso obrigatório das máscaras ao ar livre sejam cumpridas até o dia 11 dezembro

Em anúncio feito pelo governador do estado de São Paulo, João Dória, a partir do dia 11 de dezembro o uso das máscaras ao ar livre está desobrigado. Apesar das novas medidas, o uso das máscaras em locais fechados segue obrigatório, como forma de prevenção contra vírus do covid-19.

-Publicidade-

Em estimativa realizada pelo governo, 75% da população do estado estaria vacinada até a última terça-feira (23 de novembro) e além disso, o Comitê Científico estipulou outras metas para a tomada de decisão, entre elas:

  • Menos de 1.100 casos novos por dia na média móvel
  • Menos de 50 óbitos por dia na média móvel
  • Menos de 300 internações diárias na média móvel
  • 75% da população com o esquema vacinal completo (dose única ou duas doses)

Apesar de algumas das medidas não terem sido cumpridas ainda, o governo estipula que elas serão realizadas até o dia 11 de dezembro. Em contrapartida, especialistas temem que o abandono do uso das máscaras em ar livre seja precipitado, em consideração aos novos estágios da pandemia.

estado estipula que 75% da população está vacinada
São Paulo retira obrigatoriedade das máscaras ao ar livre após 11 de dezembro (FOTO: Danilo Verpa / Folhapress / Reprodução / Folha de São Paulo)

Segundo o Epidemiologista da Fundação Oswaldo Cruz, Jesem Orellana, ainda não estamos em um momento adequado para a decisão: “Estamos às vésperas das conhecidas aglomerações de fim de ano e das férias de janeiro. Portanto, não soa sensato abrir mão deste importante recurso preventivo”, conta à RBA.