São Paulo retoma aulas presenciais na rede municipal: veja como irá funcionar

As escolas da rede estadual e particular de São Paulo também já possuem o retorno não obrigatório previsto para acontecer nesta semana

Resumo da Notícia

  • As escolas da rede municipal de São Paulo retornam as atividades presenciais nesta segunda-feira
  • A rede estadual possui previsão de voltar na quarta-feira, 14 de abril
  • O retorno das atividades presenciais não será obrigatório

Nesta segunda-feira, 12 de abril, com o fim da fase emergencial do Plano São Paulo, as escolas municipais da capital reabrem para receber os alunos. Além disso, as instituições privadas de ensino já estão autorizadas para receber presencialmente os estudantes. Já na rede estadual, o retorno acontece na quarta-feira, 14 de abril.

-Publicidade-

A decisão foi informada na última sexta-feira, 9 de abril, durante uma coletiva de imprensa no início da tarde. Vale lembrar que desde março havia sido estabelecido, a partir de um decreto, que as escolas seriam consideradas como atividades essenciais, autorizando o funcionamento em qualquer fase do Plano São Paulo.

No entanto, é importante reforçar que o retorno presencial não é obrigatório, e os alunos podem continuar com as atividades remotas. De acordo com Rossieli Soares, secretário estadual de Educação, nesta segunda e terça-feira, as escolas irão reabrir para comunicar os pais e adequar os esquemas de rodízio para os alunos. É importante respeitar o limite de 35%. Na rede municipal, essa estratégia não acontece na Educação Infantil.

Em um primeiro momento, haverá a organização com as famílias sobre o retorno escolar presencial  (Foto: Thinkstock)

Serão priorizadas as crianças que estão na fase de alfabetização, devido às dificuldades encontradas com o ensino remoto, alimentação escolar e também aquelas que estão com a saúde mental em risco. “Temos um mapeamento com alto grau de ansiedade, depressão, suicídio, e é importante que a gente tenha nesse mapeamento uma prioridade de atendimento”. Além disso, a rede municipal de ensino irá dar preferência para os filhos de profissionais dos serviços essenciais: saúde, educação, assistência social, transporte público, segurança e serviço funerário.