São Paulo toma medidas mais rígidas para manter quarentena e secretário da Saúde fala o que vai mudar

Edson Aparecido explicou que as decisões foram estabelecidas por Bruno Covas e contou que no momento não será possível relaxar com o isolamento

Resumo da Notícia

  • A partir do dia 4 de maio o uso de máscaras em transportes públicos será obrigatório
  • Edson Aparecido afirmou que Bruno Covas já estipulou o que irá mudar
  • Algumas vias da cidade serão bloqueadas para evitar o trânsito de pessoas
  • Ainda é recomendado que as pessoas fiquem em casa neste período e sigam as medidas preventivas
Ainda não existe uma data fixa para o fim da quarentena (Foto: Getty Images)

Na última quarta-feira, 29 de abril, em entrevista ao Bom dia SP, Edson Aparecido, secretário municipal da Saúde de São Paulo, afirmou que a quarentena será prorrogada após o dia 10 de maio, e tomará medidas mais rígidas para que as pessoas respeitem o isolamento. Até o período, são 1.456 mortos pelo coronavírus na cidade.

-Publicidade-

“Já há uma decisão tomada, nós não temos como relaxar as medidas de isolamento a partir do dia 10 de maio. Na capital é absolutamente impossível fazermos isso, ao contrário, nós estamos iniciando uma discussão na prefeitura para que a gente possa fortalecer algumas dessas medidas para que a gente consiga fazer com que o isolamento na cidade possa crescer desse patamar de 48%”, explicou.

O secretário se mostrou preocupado com a situação da cidade (Foto: reprodução / vídeo Bom dia SP)

Das novas medidas, a Prefeitura de São Paulo irá bloquear algumas vias para que a transição de pessoas diminua significantemente. “Você faz um processo de bloqueio e você reduz muito [tráfego] fazendo com que as pessoas se desestimulem a sair de casa, sobretudo nas regiões onde a pressão no sistema de saúde tem aumentado continuamente”. Das regiões que serão bloqueadas, Brasilândia, na zona Norte da cidade está confirmada.

Edson mostrou preocupação ainda, porque pelo reflexo da contaminação será refletido em 10 a 15 dias, data em que a doença poderá atingir o pico no mês de maio. “Isso significa que nós estamos começando de uma maneira muito acelerada o processo de disseminação da doença na cidade e obviamente seus óbitos. Não há menor sombra de dúvida que definitivamente nós iniciamos a subida dessa chamada curva em uma velocidade muito acentuada”, concluiu.