São Paulo volta para fase vermelha e permite volta às aulas presenciais: veja o que muda

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 09 de abril. A partir da próxima semana, alunos podem voltar às escolas para terem aulas presenciais, mas decisão cabe aos pais de deixarem os filhos irem à instituição

Resumo da Notícia

  • Nesta sexta-feira, 09 de abril, o Governo do Estado de São Paulo anunciou novas medidas sobre o combate ao novo coronavírus
  • A partir da próxima segunda-feira, 12 de abril, o estado retorna à fase vermelha do plano e permanece em quarentena até 18 de abril
  • Veja o que muda a partir de agora

Nesta sexta-feira, 09 de abril, o Governo do Estado de São Paulo realizou uma nova coletiva de imprensa para informar novas medidas sobre o combate ao novo coronavírus. A partir da próxima segunda-feira, 12 de abril, o estado retorna à fase vermelha do plano e permanece em quarentena até 18 de abril.

-Publicidade-

Durante a coletiva de imprensa, o vice-governador Rodrigo Garcia anunciou o que muda a partir de segunda-feira:

  • Permissão de eventos esportivos profissionais e sem público – combinado com a Federação Paulista de Futebol com o Ministério Público – após às 20h e transmitido
  • Permissão da retirada de alimentos em lojas e restaurantes e de outros tipos de comércio, como lojas de roupas (sem ficar dentro do local)
  • Liberação do atendimento presencial no comércio de materiais de construção
  • Volta às aulas presenciais

Aulas presenciais: o que muda

Durante a fase emergencial, as escolas de São Paulo não fecharam para poder atender crianças com déficit de aprendizagem e necessidade de alimentação. A partir de segunda-feira, as escolas estaduais voltam a receber alunos para aulas presenciais com limite de 35% de ocupação. Não existe uma obrigatoriedade para as crianças irem até a instituição, portanto, os pais que não se sentem confortáveis não precisam levar os filhos para a escola.

Os profissionais da área da educação – tanto professores quanto toda a rede de apoio da escola – serão vacinados a partir de 10 de abril, este sábado. Originalmente, a data para o início da vacinação era 12 de abril, segunda. Para serem imunizados, esses profissionais devem apresentar um documento que comprove que eles estão atuando na área neste momento.

Alunos considerados prioritários para frequentarem a instituição escolar, inclusive todos os dias, são as crianças que se enquadram nas seguintes categorias:

  • Crianças que dependem da escola para ter uma alimentação
  • Alunos com saúde mental em risco (com alto grau de ansiedade e depressão)
  • Alunos cujos pais trabalham em serviços essenciais e precisam da rede de apoio
  • Crianças menores em fase de alfabetização

O que continua valendo da fase emergencial durante a fase vermelha

  • Toque de recolher das 20h às 5h
  • Reforço de fiscalização
  • Obrigatoriedade do teletrabalho
  • Proibição de celebrações religiosas coletivas

Vacinação de idosos com mais de 67 anos

Rodrigo Garcia anunciou que a campanha de imunização de idosos com mais de 67 anos será antecipada e, agora, o calendário de vacinação se inicia na próxima segunda-feira, 12 de abril, e visa cuidar da saúde de 350 mil pessoas. A partir de 21 de abril, começa a imunização da população com 65 e 66 anos, o equivalente a 760 mil pessoas.

Atualização de dados

Jean Gorinchteyn, Secretário de Saúde de São Paulo, atualizou durante a coletiva de imprensa os números da 14ª semana epidemiológica de 2021. De acordo com ele, houve uma queda de 17,7% nas internações causadas pela contaminação de covid-19 na última semana – tanto em enfermarias quanto em unidades de terapia intensiva (UTI). Além disso, Garcia anunciou a ampliação do número de leitos: foram criados mais de 6.500 para atender a população. 

Ainda estamos vendo o aumento no número de óbitos, mas já começaram a observar o impacto da vacinação na população mais idosa. “Acredito que nas próximas duas semanas poderemos ver o número de mortes de diminuir”, disse Paulo Menezes, do Centro de Contingência da covid-19.

Número de internações por covid-19 cai e SP entra na fase vermelha (Foto: Reprodução Governo de São Paulo)

Gorinchteyn reforçou que a fase vermelha ainda segue rígida com todas as fiscalizações e medidas sanitárias e não é um relaxamento ou flexibilização dos cuidados contra a covid-19. Garcia disse que não é o momento da população baixar a guarda e deixar de se proteger.