Sarah Fonseca faz apelo após caso de racismo: “Tenham o mínimo de empatia e escutem”

A influenciadora também falou da importância da família depois do caso e contou um pouco da decisão de postar o vídeo

Resumo da Notícia

  • Sarah Fonseca faz apelo após caso de racismo
  • A influenciadora também falou da importância da família depois do caso
  • Ela contou um pouco da decisão de postar o vídeo

Um vídeo da influenciadora Sarah Fonseca, filha de Martha Jane e Antônio Carlos, viralizou recentemente. Nas imagens, ela denuncia um caso de racismo que sofreu em um restaurante em Ipanema, no RJ. Na situação, ao se aproximar do companheiro, que estava acompanhado dos pais dele, Sarah logo foi abordada por um segurança que pedia para ela se retirar dali, alegando que ela estaria perturbando o próprio namorado. A influenciadora, então, começou a filmar o momento e contou tudo que aconteceu.

-Publicidade-
Sarah Fonseca denunciou o caso de racismo em vídeo (Foto: reprodução redes sociais)

Em entrevista Pais&Filhos, Sarah contou um pouco do que passou naquele momento e falou sobre a reação da família com tudo isso. “Eu me senti humilhada e reduzida a nada. Foi como se tudo que eu conquistei com muita luta tivesse sido anulado porque fui colocada em outro lugar. O racismo sempre faz isso com a gente, nos inferioriza e coloca em outro lugar”, desabafa.

Ela seguiu contando que, no momento em que tudo aconteceu, não pensou muito antes de começar a gravar. O vídeo veio pelas emoções que sentiu no momento. “A ideia veio da raiva que senti ao ver que o rapaz não se importou comigo, não pediu desculpa, não tentou entender e continuou lá com a mesma postura achando que estava certo. Fora que absolutamente ninguém do estabelecimento veio intervir ou dizer alguma coisa. Eu não consegui pensar direito na hora que postei, eu só queria compartilhar o que aconteceu. Realmente não fazia ideia (da repercussão que teria)”, conta.

A família, logo que viu o vídeo, ligou para Sarah perguntando se ela estava bem e orientando a ir até a delegacia para denunciar o que aconteceu.  Ela ressaltou a importância dessa rede de apoio neste momento. “Foram as primeira pessoas a me ligarem, rezarem por mim, e incrivelmente perguntarem TODO OS DIAS se eu estava bem e se precisava de algo. Minha família e meu namorado (moramos juntos) foram e são um colo necessário”, aponta.

Hoje, Sarah ressalta a importância de se falar e educar sobre o racismo, já que ela mesma não teve muitas conversas sobre o assunto quando era mais nova. “Me descobri negra há poucos anos. Não lembro de nenhuma situação em que minha mãe ou pai falaram abertamente sobre racismo”, relembra.

“Existem muitas formas de ajudar nesse luta, muitas mesmo, mas acho que nesse momento a mais importante é ouvir a gente (negros) e acreditar em nossa palavra. O que mais me dói contrário ao antirracismo são as pessoas que deslegitimam nossa dor. Que falam que é exagero, coisa da nossa cabeça ou infelizmente o famoso mimimi. Tenham minimamente empatia e escutem!”, pede.