“Sem forças”, diz marido de médica que morreu após parto da 3ª filha

Bethânia Bianquini Palmiro, ginecologista e obstetra de 40 anos, morreu após complicações no parto da 3ª filha

Resumo da Notícia

  • A ginecologista e obstetra, Bethânia Bianquini Palmiro, morreu devido complicações no pós-parto de sua terceira filha
  • O marido, Vicente Palmiro, disse que está sem chão pelo o que aconteceu
  • A criança está sob os cuidados da avó e tias paternas

O marido da médica ginecologista e obstetra, Bethânia Bianquini Palmiro, que morreu no último domingo, 24 de abril, por complicações pós-parto – contou que a bebê já está em casa e que a família ainda está tentado entender a perda da familiar. A Bethânia teve a criança em um hospital particular do Mato Grosso, no entanto, teve complicações durante o parto e não resistiu. A bebê é a terceira filha do casal.

-Publicidade-

“As coisas estão muito difíceis pra mim, minhas filhas e minha família. Estou sem forças para pensar em nada, buscando resposta que não vêm no momento”, disse o pai, Vicente Palmiro, em entrevista ao G1.

Obstetra de 40 anos morre após complicações no parto da 3° filha
Obstetra de 40 anos morre após complicações no parto da 3° filha (Foto: arquivo pessoal / reprodução G1)

Segundo o portal, a menina está sob os cuidados da avó paterna e tias. O pai, que é médico ortopedista, afirma estar sem chão no momento e por isso conta com  ajuda integral da família. “Nesse momento dedico a atenção as minha outras duas filhas, que pela idade, me questionam a cada minuto a ausência da mãe”, finalizou Vicente.

Entenda o caso

A médica ginecologista e obstetra Bethânia Bianquini Palmiro, de 40 anos, faleceu no último domingo, 24 de abril, após complicações no parto da terceira filha. A médica atuava na cidade de Cáceres, a 250 km de Cuiabá, no Mato Grosso, e o parto aconteceu em um hospital particular da capital.

De acordo com informações dadas por uma amiga da família ao G1, a médica  teria sofrido uma hemorragia durante o parto e, por isso, foi necessário uma cirurgia de emergência para retirar o útero. Mesmo com a cirurgia às pressas, a pressão, os batimentos cardíacos estavam descontrolados e a hemorragia não foi contida.

A bebê sobreviveu e passa bem. Além dela, a médica também era mãe de duas meninas, de 3 e 6 anos. Bethânia era uma das médicas mais conhecidas da cidade. Era de uma família de médicos e era casada com  o ortopedista Vicente Palmiro. Ela trabalhou no Hospital São Luiz e atuava no Hospital Regional de Cáceres.