Solidariedade! Projeto ajuda crianças que perderam a família para o coronavírus

O Brasil vive hoje o epicentro da pandemia, por esse motivo, os reflexos do covid-19 atingiram diversas pessoas, e a empatia entra em cena!

Resumo da Notícia

  • O Brasil vive hoje o pior momento da pandemia coronavírus, por esse motivo, os reflexos do covid-19 atingiram diversas famílias
  • Diversas crianças, bebês e jovens perderam os pais, mas num momento de tanta dor, a solidariedade entra em cena!
  • Foi para atender essas famílias que surgiu o projeto 'Eu amo o próximo", em Manaus

O Brasil vive hoje o pior momento da pandemia, por esse motivo, os reflexos do covid-19 atingiram muitas famílias. Diversas crianças, bebês, adolescentes e jovens perderam os pais, mas num momento de tanta dor, a solidariedade entra em cena!

-Publicidade-
O projeto ‘Eu amo o próximo” foi criado para ajudar famílias atingidas pelo coronavírus (Foto: Reprodução / G1)

A matéria exclusiva do Fantástico mostrou o novo cenário que enfrentamos atualmente. Como aconteceu com as 3 irmãs, que quando pequenas foram abandonadas pela mãe, por isso coube ao pai cuidar das filhas sozinho. Francisco de 49 anos, era conhecido pelo carisma e humor!

Ano passado ele ganhou um neto, como a família aumentou ele não podia parar de trabalhar, até que começou a pandemia do novo coronavírus. Francisco foi infectado e faleceu há uma semana, agora, as irmãs tentam se virar da forma que podem.

-Publicidade-

“Essas crianças são vitimas indiretas da pandemia, elas ficam em situação vulnerável e de abandono. É necessário uma assistência psicologia e social adequadas por meio de centros de referências especializados da criança e do adolescente”, disse Ariel Castro, advogado especialista em direito da infância e juventude.

Foi para atender essas famílias que surgiu o projeto ‘Eu amo o próximo”, em Manaus. “Convocamos voluntários que pudessem ajudar essas crianças doando alimentos, kit de higiene, fraudas… São crianças que não estão em abrigos, elas estão no ciclo familiar, com algum parente”, disse Glaucie Galucio, idealizadora da campanha. Por enquanto, metade das crianças atendidas pelos projetos são recém-nascidas.