“Sorte que tenho prova de vídeo”, diz mãe que flagrou enfermeira fingindo aplicar vacina em filho

O caso aconteceu nesta última terça-feira, 25 de janeiro, dentro de um posto de saúde do município de Taubaté, em São Paulo

Resumo da Notícia

  • Uma mãe flagrou o momento em que uma enfermeira não aperta o êmbolo da vacina contra Covid-19
  • O filho dela, de 11 anos, era quem deveria receber o imunizante
  • A Prefeitura de Taubaté emitiu nota para divulgar as providências que tomou mediante o caso

Nesta última terça-feira, 25 de janeiro, Paola Dino, de 36 anos de idade, registrou o momento em que o filho de 11 anos recebia a primeira dose da vacina contra Covid-19, a pedido da filha caçula, de 9 anos. Entretanto, o que era para ser um vídeo especial acabou se tornando uma prova de denúncia contra a aplicadora responsável por injetar a agulha no braço do garoto, já que ela acabou não introduzindo a dose do imunizante. O caso aconteceu em Taubaté, município de São Paulo.

-Publicidade-

De acordo com Paola Dino, no momento da aplicação a enfermeira retirou a seringa sem antes ter apertado o êmbolo, mas a aplicadora se defendeu e disse que teria inserido a dose. Entretanto, a mãe a rebateu ao revelar que havia capturado a cena: “Eu mostrei o vídeo, tinha a prova”, disse ela para o portal de notícias da UOL. 

Desacreditada da condita da profissional, a mãe da criança contou ainda que chegou a alertar outros pais que estavam presentes sobre o ocorrido, além de ter entrado em contado com o responsável pelo posto de saúde. Após a repercussão, a criança chegou a receber o imunizante, desta vez por outro aplicador.

“Eu sou mãe e surda. Ser não fosse esse vídeo, ninguém iria acreditar em mim. Foi minha filha de 9 anos que me pediu para gravar um vídeo. Ainda bem que gravei, na hora de aplicar eu vi o que aconteceu. Mas eu sou mãe igual uma leoa. Os pais têm que ficar alerta”, afirma Paola Dino.

Em nota, a prefeitura de Taubaté defende que o episódio foi “pontual” e sinaliza que tomou providências administrativas sobre o caso em questão. “Vale salientar que a criança não saiu da unidade sem a vacina, ela recebeu a dose no momento em que foi constatada a falha. A administração municipal reforça que a vacinação é segura e que a enfermagem trabalha sempre em equipes nas salas de vacina”, informou.