Ter orgasmo na hora do parto não é um mito: entenda o motivo

A conexão entre parto e prazer sexual pode estar mais próxima do que pensamos, segundo os especialistas

Pense por um momento em todas as maneiras pelas quais você ouviu o parto descrito. Provavelmente você não pensa que a sensação “orgástica” está no topo da lista, na verdade nem pensa que ela entra na lista. No entanto, existe um movimento diretamente focado nas mulheres que têm orgasmos durante o parto.

-Publicidade-
Existe um movimento diretamente focado nas mulheres que têm orgasmos durante o parto (Foto: Getty Images)

Mas o nascimento de um bebê pode realmente ser orgástico? E talvez mais importante, como alguém consegue isso? As respostas para essas perguntas podem estar menos concentradas no clímax e mais na maneira como abordamos o processo de trabalho e parto, segundo alguns especialistas. Aqui está o que você precisa saber.

O conceito

O parto orgásmico é sobre a conexão entre nascimento e sexualidade, diz Debra Pascali-Bonaro, treinadora de doula de parto e pós-parto que quer deixar claro, no entanto, que a ideia de atingir um orgasmo durante o parto não se trata de colocar uma nova pressão de desempenho sobre as mulheres (elas já têm o suficiente disso). Em vez disso, trata-se de desafiar o atual sistema de crenças relacionado à dar a luz e estar aberta à ideia de que o parto é de fato “um ato sexual”.

-Publicidade-

Ato sexual? Sim, essa parte também nos fez ficarmos paralisadas. Mas o que Debra está referenciando é o fato de que, durante o trabalho de parto e o parto, o bebê se move pelas mesmas partes do corpo de uma mulher envolvidas com prazer sexual. O bebê está abrindo o colo do útero, movendo-se para dentro da vagina e potencialmente tocando o ponto g. Como tal, ela acredita que educar as pessoas sobre a possibilidade de prazer sexual durante o parto permite que mais mães vejam seus nascimentos como experiências alegres. Ela acredita que uma mudança de mentalidade pode até ajudar a diminuir a necessidade de intervenções médicas para controlar a dor.

Medicina vs. O Movimento

Do ponto de vista médico, a Dra. Alyse Kelly-Jones, uma ginecologista obstetra de Charlotte, na Carolina do Norte, acha o conceito de nascimento orgástico “fascinante”, embora ela diga que, nos 20 anos em que é médica, nunca viu isso acontecer. Ela acredita que é plausível que uma mulher possa experimentar o orgasmo durante o parto, mas observa que, como todas as mulheres tem o orgasmo de maneira diferente e todas as mãe vivem o parto de forma diferente, ela acredita que atingir o orgasmo durante o parto dependeria em grande parte do tipo de orgasmo que a mãe é capaz de obter quando não em trabalho de parto. Em outras palavras, quanta estimulação do clitóris é necessária para atingir o clímax?

No entanto, quando se trata de usar a masturbação ou a intimidade assistida pelo parceiro como um meio para controlar a dor durante o parto, a Dra. Kelly-Jones diz que está “totalmente curiosa” sobre isso e gostaria de explorar a ideia em sua própria pesquisa. Ela aponta para o fato de que a ocitocina, hormônio liberado durante o trabalho de parto que contrai o útero, também é o mesmo hormônio liberado durante o orgasmo. “E sabemos que o orgasmo pode aliviar a dor… o que provavelmente se deve ao efeito hormonal da ocitocina”, sugere.

(Foto: Getty Images)

Superando o estigma sexual

A relação entre os hormônios criados no parto e no orgasmo é o que Debra sente que foi amplamente ignorado por causa da natureza excessivamente medicalizada do nascimento nos EUA. Ela admite que foi um desafio obter o apoio da comunidade médica no passado – publicamente pelo menos. Quando ela lançou seu documentário inovador, Orgasmic Birth: The Best Kept Secret, em 2008, recebeu ligações de profissionais médicos que lhe diriam o quanto eles gostaram do filme, mas que “não puderam sair e apoiar publicamente o parto e a sexualidade. ”

“Se nossos cuidadores não podem honrar a sexualidade do nascimento, estamos com problemas”, diz. Ela também observa que em outras partes do mundo, ela notou mais abertura ao conceito (embora os EUA não sejam o único lugar em que ela enfrentou desafios para espalhar o movimento).

Ainda assim, ela acredita sinceramente que, ao usar hormônios naturais e os recursos de nosso próprio corpo durante o trabalho de parto, há uma probabilidade mais forte de obter melhores resultados na hora que o bebê for nascer. Ela reconhece a necessidade de intervenção médica em alguns casos, mas enfatiza que, com o “uso excessivo” de drogas, tecnologia e “alteração dos hormônios”, não melhoramos os partos. Na verdade, ela argumenta que os resultados dos EUA estão piorando, tanto é que houve um aumento constante das taxas de mortalidade materna, bem como um estudo recente que revelou que uma em cada seis pessoas sofreu maus-tratos durante o parto nos Estados Unidos.

“Agora sabemos pela ciência que quanto menos perturbamos nossos hormônios naturais, o trabalho fica mais seguro e saudável para mãe e o bebê a curto e longo prazo”, explica Debra.

Maneiras de usar o prazer para controlar a dor durante o parto

Quando se trata de realmente experimentar um nascimento orgástico, a treinadora doula  diz que o passo principal é estar atenta em onde e com quem você está tendo o parto. “Mesmo que pareça clichê, você deve ter o mesmo tipo de ambiente em que possa ter uma experiência sexual agradável e confortável”, diz.

E se você não está pronta para se comprometer a tentar chegar ao clímax na sala de parto? A massagem é outra maneira pela qual sensações agradáveis ​​podem ajudar a controlar a dor durante o parto. O toque transmite tranquilidade, carinho e compreensão – seja alguém segurando sua mão, acariciando sua bochecha ou cabelo ou batendo com a mão no seu ombro. Faça com que seu parceiro ou doula massageie você com movimentos leves ou firmes usando óleo ou loção para ajudar a acalmá-la.

Você também pode colocar três bolas de tênis em uma meia e fazer com que seu parceiro as role para cima e para baixo nas costas para aliviar a dor. Ou peça-lhes para esfregar as costas com as palmas das mãos.

Conclusão

Ou seja, se você acredita que pode atingir o orgasmo durante o parto ou não, é importante que saiba que não custa pelo menos tentar esse método para controlar a dor durante o parto, então “Pense nisso”, recomenda a  Dra. Kelly-Jones.

-Publicidade-