Terry Crews diz que começou a fazer musculação para se proteger do pai: “Pensei que teria que lutar com ele”

No último episódio de “Running Wild with Bear Grylls”, o ator contou sobre o próprio foco na saúde e o que havia por trás disso, que era na verdade uma infância complicada por uma série de agressões do pai

Resumo da Notícia

  • Terry Crews contou sobre o próprio foco na saúde e o que havia por trás disso, que era na verdade uma infância complicada por uma série de agressões do pai
  • O senso de proteção pela família, segundo ele, surgiu muito cedo, quando ele tinha apenas 5 anos
  • Ele já tinha falado sobre o relacionamento complicado com o pai em 2014, sobre como ele aprendeu a perdoar o patriarca

No último episódio de “Running Wild with Bear Grylls”, do National Geographic, Terry Crews contou sobre o próprio foco na saúde e o que havia por trás disso, que era na verdade uma infância complicada por uma série de agressões do pai, tanto direcionados a ele quanto à mãe.

-Publicidade-

“Houve um tempo na minha vida que engordei porque estava deprimido. Estava deprimido, precisava de algo, precisava de uma mudança, precisava ir à academia 21 dias seguidos. O período de 21 dias transformou-se em 21 anos”, contou ele, que ainda continuou:

“Preciso dizer que crescer (para mim) não foi uma boa experiência. Meu pai era muito abusivo. Ele costumava bater na minha mãe. Então foi uma daquelas coisas em que eu sabia que tinha que ficar mais forte porque uma dia eu pensei que teria que lutar com ele. Foi assim que tudo começou”, reforçou.

-Publicidade-
Terry Cruz comentou sobre o motivo pelo qual ele começou a fazer musculação (Foto: Reprodução/ O Globo)

O senso de proteção pela família, segundo ele, surgiu muito cedo, quando ele tinha apenas 5 anos.”Eu sempre, sempre pensei: ‘Esteja em forma, esteja pronto, esteja preparado, esteja lá’. Mas mesmo assim é difícil, porque certas coisas me atingiram e eu tive que superar”.

Ele já tinha falado sobre o relacionamento complicado com o pai em 2014, quando  escreveu um ensaio para o HuffPost sobre como ele aprendeu a perdoar o patriarca. “Comecei a dar crédito ao meu pai pelo que ele fazia. Ele ganhava bem. Ele era um bom provedor”, escreveu ele. “Eu nunca desculpei o que estava errado, mas também ser capaz de ver o positivo finalmente mudou minha perspectiva. Mudou minha visão de nossa história. Tudo ficou claro para mim e liguei para meu pai”.