Tiago Leifert comemora 1º diagnóstico precoce de retinoblastoma após anúncio do câncer da filha

Após assistir o vídeo do anúncio do diagnóstico de Lua, uma mãe conseguiu identificar previamente a doença rara no filho

Resumo da Notícia

  • Tiago Leifert comemorou o primeiro diagnóstico precoce de retinoblastoma
  • A descoberta aconteceu após uma mãe entrar em contato com o vídeo informativo, que foi divulgado nas redes sociais dos pais de Lua
  • No registro, os jornalistas comentaram como foi a descoberta da doença e o tratamento que a bebê segue fazendo

Na manhã do último sábado, 29 de janeiro, Tiago Leifert e Daiana Garbin usaram as redes sociais para revelar que a filha do casal, Lua, está com um câncer raro nos dois olhos, chamado retinoblastoma, que acontece nas células da retina. Nesta terça-feira, dia 1 de fevereiro, o jornalista comemorou nos stories o 1º diagnóstico precoce em uma criança, após a repercussão do vídeo sobre o assunto.

-Publicidade-

“Só queria dizer pra vocês que conseguimos o 1º diagnóstico precoce de retinoblastoma graças ao vídeo da Lua. Uma mãe foi ao médico, por causa do vídeo, ela viu o vídeo, reconheceu alguns sintomas, foi ao médico e a criança tem retinoblastoma em estágio inicial.”, começou anunciando Tiago Leifert.

Tiago e Luana compartilharam um vídeo no Instagram para contar a notícia
Tiago e Luana compartilharam um vídeo no Instagram para contar a notícia (Foto: Reprodução/Instagram @tiagoleifert @daianagarbin)

“Então é um diagnóstico precoce, era esse o objetivo, atingimos! Tem muito trabalho pela frente, e a gente pretende salvar muitas crianças ainda, com a Luazinha, com a força da Lua. Vamo que vamo! Deu certo, ein? Pegamos o primeiro!”, finalizou o jornalista.

Sobre o vídeo citado, que foi publicado no Instagram, Daiana contou que foi Tiago quem notou um “movimento irregular” nos olhos da menina de pouco mais de um ano, que tinha um reflexo branco nos olhos. O casal disse que decidiu compartilhar a notícia para mostrarem para outras famílias o que sabem sobre a doença. Veja mais sobre este conteúdo AQUI!

O que é o retinoblastoma?

O retinoblastoma é um tipo de câncer raro que se desenvolve na retina, localizada na parte posterior do olho. As células da retina crescem e se multiplicam, podendo depois se espalhar para o cérebro e medula. A doença é mais comum em bebês e crianças pequenas.

Segundo a pesquisa mais recente do TUCCA (Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer), 90% dos casos ocorrem em crianças com até 4 anos de idade e no Brasil são registrados cerca de 400 novos casos por ano, sendo que 40% são hereditários.

O retinoblastoma é um câncer raro nos olhos
O retinoblastoma é um câncer raro nos olhos (Foto: Getty Images)

Por ser considerado um tipo raro, pouco se fala sobre o diagnóstico precoce desse câncer,  mas se descoberto tardiamente, pode causar cegueira e até levar a criança à morte. De acordo com os especialistas consultados pela Pais&Filhos, é preciso educar a população brasileira e os profissionais da saúde sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer ocular, também tido como o mais comum na infância.

Isso porque, o número de crianças identificadas tardiamente com o problema, quando a doença já está em um estágio avançado, ainda é muito alto no país, cerca de 50%, o que reduz as chances de tratamento e cura do tumor.  “O que pouca gente sabe é que, se a doença for diagnosticada precocemente, pode ter cura em até 100% dos casos”, explica o oncologista pediátrico e presidente da TUCCA, Sidnei Epelman, pai de Marco e Fernando e avô de Nina e Eduardo.

Como identificar?

O principal sintoma do retinoblastoma é a leucocoria – ou seja, um reflexo branco na pupila, popularmente conhecido como reflexo do olho de gato. Em outras palavras, acontece quando o reflexo da luz fica na superfície do próprio tumor. Além disso, a criança também pode apresentar baixa visão, estrabismo, fotofobia, conjuntivite e deformação do globo ocular. Ele pode afetar apenas um, ou os dois olhos, como foi o caso de Lua, filha de Tiago e Daiana.

Para Hallim Feres Neto, oftalmologista do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, pai de Rafael e Guilherme, é essencial levar o bebê para uma primeira consulta no oftalmologista  até os 18 meses. “É com essa idade que existe a maior incidência de aparecimento do retinoblastoma, então é preciso fazer a checagem completa”.