Tiago Leifert fala sobre o tratamento da filha após diagnóstico de retinoblastoma

O apresentador também aproveitou para agradecer as mensagens de apoio do público

Resumo da Notícia

  • Tiago Leifert agradeceu as mensagens de apoio dos seguidores
  • Ele também falou sobre o tratamento de câncer raro da filha
  • O apresentador também disse ter ficado feliz ao saber que o anúncio pôde conscientizar outros pais também

No último sábado, 29 de janeiro, Tiago Leifert e Daiana Garbin usaram as redes sociais para revelar que a  filha do casal, Lua, está com retinoblastoma, um câncer raro na região dos olhos. O diagnóstico foi feito em outubro do ano passado.

-Publicidade-

Após a divulgação a família recebeu diversas mensagens de apoio, além de muitos pais terem sido conscientizados sobre o assunto. Por conta disso, o apresentador usou as redes sociais para agradecer a todo o carinho e aproveitou para falar sobre o o tratamento da filha.

“Bom dia. Nem sei como agradecer todos vocês aí por todas as mensagens que vocês mandaram. A gente recebeu muita mensagem e acima de tudo, o fato de vocês terem compartilhado o vídeo foi muito importante pra nós, que era nosso objetivo principal”, começou falando em um vídeo.

Tiago Leifert agradece as mensagens de carinho e fala sobre tratamento da filha
Tiago Leifert agradece as mensagens de carinho e fala sobre tratamento da filha (Foto: Reprodução / Instagram / @tiagoleifert)

“Queria agradecer também todos os canais que fizeram reportagem, Fantástico fez com a gente, Domingo Espetacular, Jovem Pan… Muito obrigado a todos que divulgaram e falaram sobre a doença porque já estão começando a chegar as primeiras mensagens de crianças que foram ontem ao oftalmo e detectaram alguma coisa”, continuou.

“Provavelmente não é retinoblastoma porque é muito raro, mas já conseguiram detectar alguma doença e vamos conseguir salvar essas crianças, já deu certo. O objetivo era um e já temos dois relatos. Muito obrigado a todos. A energia positiva de vocês tornou tudo mais fácil pra mim. Estava mais difícil antes de vocês mandarem toda essa energia. Muito, muito obrigado”, acrescentou.

Tratamento

“É um momento bem difícil e delicado do tratamento. Tem muita coisa pra ser feita. Temos muito o que comemorar, mas em igual quantidade temos preocupações ainda. Sei que pra quem está preocupado, a gente não vai conseguir dar notícias nos próximos dias e próximas semanas”, afirmou ele.

“O tratamento é lento, gradual e talvez a gente fique muito tempo sem falar nada. Então, não se preocupem. Assim que tivermos alguma coisa pra falar e comemorar, a gente vem aqui. Vai demorar. Esse tratamento é lento e é uma doença que vamos no dia a dia. ‘Ah, o Tiago sumiu’. Eu sumo direto. Isso não quer dizer nada. Se eu desaparecer não necessariamente é ruim. Sou eu sumindo como sempre. Temos muita coisa pela frente”, concluiu.

No último sábado, 29 de janeiro, o casal afirmou que Lua já passou por quatro sessões de quimioterapia. No entanto, acrescentaram que não sabem qual etapa do tratamento estão. A menina está enxergando bem do olho esquerdo, já o direito está “precisando de mais cuidados”, e ressaltam a importância do diagnóstico precoce de câncer infantil.

“A gente não sabe se está no começo, meio ou fim do tratamento, é uma luta no dia a dia, que a gente vai levando. Mas nós estamos bem”, afirmou o apresentador.

O que é o retinoblastoma?

O retinoblastoma é um tipo de câncer raro que se desenvolve na retina, localizada na parte posterior do olho. As células da retina crescem e se multiplicam, podendo depois se espalhar para o cérebro e medula. A doença é mais comum em bebês e crianças pequenas.

Segundo a pesquisa mais recente do TUCCA (Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer), 90% dos casos ocorrem em crianças com até 4 anos de idade e no Brasil são registrados cerca de 400 novos casos por ano, sendo que 40% são hereditários.

O retinoblastoma é um câncer raro nos olhos
O retinoblastoma é um câncer raro nos olhos (Foto: Getty Images)

Por ser considerado um tipo raro, pouco se fala sobre o diagnóstico precoce desse câncer,  mas se descoberto tardiamente, pode causar cegueira e até levar a criança à morte. De acordo com os especialistas consultados pela Pais&Filhos, é preciso educar a população brasileira e os profissionais da saúde sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer ocular, também tido como o mais comum na infância.

Isso porque, o número de crianças identificadas tardiamente com o problema, quando a doença já está em um estágio avançado, ainda é muito alto no país, cerca de 50%, o que reduz as chances de tratamento e cura do tumor.  “O que pouca gente sabe é que, se a doença for diagnosticada precocemente, pode ter cura em até 100% dos casos”, explica o oncologista pediátrico e presidente da TUCCA, Sidnei Epelman, pai de Marco e Fernando e avô de Nina e Eduardo.

Como identificar?

O principal sintoma do retinoblastoma é a leucocoria – ou seja, um reflexo branco na pupila, popularmente conhecido como reflexo do olho de gato. Em outras palavras, acontece quando o reflexo da luz fica na superfície do próprio tumor. Além disso, a criança também pode apresentar baixa visão, estrabismo, fotofobia, conjuntivite e deformação do globo ocular. Ele pode afetar apenas um, ou os dois olhos, como foi o caso de Lua, filha de Tiago e Daiana.

Para Hallim Feres Neto, oftalmologista do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, pai de Rafael e Guilherme, é essencial levar o bebê para uma primeira consulta no oftalmologista  até os 18 meses. “É com essa idade que existe a maior incidência de aparecimento do retinoblastoma, então é preciso fazer a checagem completa”.