Tio de Marília Mendonça que também morreu no acidente deixa filha de seis meses

Ele está sendo velado junto com a cantora em um ginásio em Goiânia

Resumo da Notícia

  • Tio de Marília Mendonça que também morreu no acidente deixa filha de seis meses
  • Ele está sendo velado junto com a cantora em um ginásio em Goiânia
  • Os dois foram vítimas de um acidente aéreo na última sexta-feira, 5 de novembro

O tio e assessor de Marília Mendonça, Abicelí Silveira Dias Filho, que também foi vítima do acidente de avião na última sexta-feira, 5 de novembro, deixa uma filha de apenas 6 meses. Ele era casado com Nayara Moura, com quem teve a filha, Laura, em maio deste ano.

-Publicidade-
Fãs se despedem de Marília Mendonça durante velório em Goiânia
O tio também foi vítima do acidente que tirou a vida de Marília Mendonça (Foto: reprodução/Instagram/@mariliamendocacantora)

Abicelí completou quatro anos ao lado de Nayara em outubro deste ano. Na época, ele fez um post em homenagem à companheira e comentou a respeito do amor que tinha pela filha.

O assessor também está sendo velado junto com a cantora em um estádio de Goiânia. O velório começou às 13h e está previsto para terminar às 16h. Fãs, familiares e amigos já entraram no ginásio para homenagear os dois. O sepultamento será restrito e contará apenas com amigos e familiares.

Tio de Marília Mendonça que também morreu no acidente deixa filha de seis meses
Tio de Marília Mendonça que também morreu no acidente deixa filha de seis meses (Foto: reprodução Instagram)

Causa do acidente

Em nota, a Cemig afirmou que o avião que transportava a cantora, o tio e outras três pessoas atingiu um cabo de uma torre de distribuição da empresa, em Caratinga, no Vale do Rio Doce. A notícia foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros, em nota oficial enviada à imprensa.

De acordo com apurações feitas pelo G1 de Minas Gerais, pilotos que sobrevoaram a região e testemunhas relataram que o avião “rasgou” fios de alta tensão ligadas a uma torre próximo ao local. Nos meses de setembro e agosto, os órgãos aéreos da região já haviam sido alertados por outros comandantes de que os fios elétricos atrapalhariam o pouso no aeródromo de Caratinga.

Conforme a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião de Marília Mendonça estava com a documentação em dia, além da permissão para fazer taxi aéreo. Além disso, a aeronave podia levar até 6 passageiros e tinha capacidade para 4,7 mil quilos. A queda aconteceu próximo à Pousada Rodrigo Godinho, na BR 474,  zona rural Piedade de Caratinga.  A aeronave decolou de Goiânia e caiu em uma cachoeira a 2 quilômetros da pista em que faria o pouso, de acordo com a Polícia Militar mineira.