Toda emoção importa: veja como ensinar seu filho a lidar com sentimentos como raiva e tristeza

Falar sobre o que a criança está sentindo é fundamental para que ela consiga lidar com os próprios problemas quando ficar mais velha. Veja dicas de como fazer isso

Resumo da Notícia

  • É importante ensinar seu filho a lidar com as emoções
  • Criar um vocabulário de sentimentos é essencial para que ele aprenda a lidar com eles
  • Fazer isso, no entanto, não é nada fácil
  • Veja dicas para te ajudar nesse processo

Com apenas 1 ano de idade, as crianças começam a demonstrar emoções. E, percebendo ou não, é nessa fase que você começa a demonstrá-las de volta. O jeito que você age quando seu filho fica bravo, nervoso ou triste quando criança pode moldar a forma na qual ele lida com esses sentimentos no futuro. Muitas vezes, não tomamos o tempo e esforço necessário para dar algum tipo de sinal emocional às crianças em idade escolar, e conversar com elas sobre o assunto.

-Publicidade-
É importante ensinar seu filho a lidar com os sentimentos (Foto: Jenny Risher / Parents)

“Se você vai apenas dizer ao seu filho para ir para o quarto quando ele se comporta mal, você está perdendo uma oportunidade de discutir porque ela agiu daquela forma e entender  como ela pode estar se sentindo”, diz Jaime Gleicher, LMSW, terapeuta comportamental do Harstein Psychological Services Center, em Nova York. Esses pequenos gestos podem abrir as portas da comunicação para ajudar seu filho a entender as complexidades das emoções.

“Não há disciplina na escola para identificar e explicar emoções, mesmo que a construção e o crescimento da inteligência emocional e do vocabulário emocional de seu filho devam começar muito cedo. Na minha opinião, é tão importante quanto aprender números, letras e cores”, diz Gleicher. O objetivo dos sentimentos é entender o que está acontecendo dentro de nós e ao nosso redor. Os sentimentos nos dão um feedback rápido para usar com base em nossas experiências passadas.

-Publicidade-

No entanto, quando você é jovem, não tem experiências anteriores para se embasar e você acaba reagindo de acordo com o que sente. “Cabe aos pais ou cuidadores treinar as crianças em como identificar, nomear, interpretar e usar suas emoções. Então, as crianças aprenderão um novo idioma para a auto-expressão”, explica Gleicher. “O maior presente que você pode dar a seus filhos é a capacidade de experimentar, reconhecer e lidar com emoções – será a chave da resiliência mais tarde na vida”, ele indica.

Em vez de tentar definir uma longa lista de emoções para o seu filho, comece com o básico. Aqui você encontrará as emoções complexas mais comuns das quais todas as outras emoções se originam e como conversar com seus filhos sobre elas.

Raiva

A criança precisa entender porque está assim (Foto: Jenny Risher / Parents)

A raiva é um forte sentimento de aborrecimento, descontentamento ou hostilidade. Para as crianças, que podem ser provocadas com muita facilidade quando um companheiro de jogos pega seu brinquedo, a raiva surge porque sua resposta de briga ou fuga é desencadeada. Quando seu filho faz birra, bate ou faz algo inapropriado, ele está reagindo a estímulos que o fizeram sentir algum tipo de dor ou frustração.

“A raiva pode parecer irracional, mas para uma criança que ainda não aprendeu a regular emoções, é uma reação natural imediata a algum tipo de irregularidade que ela sente”, diz Jaclyn Shlisky, Psy.D, psicóloga clínica licenciada em Long Island , Nova York. Se você sabe que a raiva do seu filho vem de algum lugar, tente conversar com ele quando ela aparece.

Identifique o sentimento

Diga: “Parece que você está realmente bravo” e imite as características faciais de estar com raiva. É importante não usar palavras definitivas como “eu vejo” e optar por palavras como “parece” ou “eu acho”. Gleicher ressalta que é crucial que você não coloque palavras exatas em uma experiência e invalide os sentimentos de seu filho se ele não estiver realmente bravo, mas se sentindo triste ou ansioso. “Isso dá à criança a oportunidade de corrigir os pais, se estiverem errados sobre o que ela está sentindo”, diz Gleicher.

Explique o sentimento

Diga: “Às vezes, as coisas não correm do jeito que queremos e isso nos faz sentir irritados e chateados”. Depois, ensine seu filho como ele pode se expressar quando esses sentimentos ocorrerem. Você pode praticar com a criança, dizendo algo como: “Eu realmente não gosto quando você pega um brinquedo da minha mão”. Gleicher explica que comportamentos negativos – bater, gritar ou chorar ao sentir raiva – é a emoção subjacente que ainda não foi regulamentada ou recuperada. Um colapso é a emoção que não é compreendida – seu filho precisa que você explique como ele está se sentindo, porque eles próprios não podem se comunicar; isso é chamado de construção do vocabulário emocional da criança.

“Eles precisam de uma palavra para associar a um sentimento, para que possam usar suas palavras para expressar, em vez de reagir”, diz ela. Quando seu filho faz birra, bate ou faz algo inapropriado, Gleicher recomenda perguntar a eles como eles estão se sentindo, além de pedir para que ele cite o que fez. Dessa forma, eles podem entender que a raiva leva a bater e, quando sentem raiva, podem expressá-la de outras maneiras. “A mensagem sempre deve ser: você tem sentimentos, é assim que eles se parecem, não há problema em sentir e nenhuma emoção é permanente”, diz ela. (Você também deve fazer isso no lado oposto do espectro: “Você acabou de marcar um gol no futebol! Como você se sente?”)

Como tornar as coisas mais fáceis

Uma boa técnica para ensinar às crianças sobre uma emoção é apontá-la nos outros. “Quando você lê livros de histórias ou assiste a filmes, pergunte a seu filho como eles acham que o personagem pode estar se sentindo. Isso não só aumenta o vocabulário emocional, mas também ensina a empatia“, diz Gleicher.

Tristeza

É preciso se atentar à saúde emocional das crianças (Foto: Getty Images)

A sensação de perda, tristeza ou desilusão é uma das mais comuns entre as crianças. A tristeza pode acontecer quando seu filho se sente assustado ou quando alguém diz ou faz algo que faz com que ele se sinta mal. Tristeza pode ser uma sensação de sentir falta de alguém (seja através da morte ou distância) ou ter que passar por algo doloroso (como ver seus pais discutindo). Esse sentimento também pode se desenvolver através da decepção, como o fechamento antecipado das escolas devido à pandemia de coronavírus ou a uma data que não pode acontecer.

Identifique o sentimento

“Quando seu filho está triste, ele não apenas se sente triste, mas também decepcionado, e agirá de acordo com isso”, diz o Dr. Shlisky. Lágrimas são o sinal mais óbvio de que seu filho está triste, mas as crianças podem manifestar tristeza de outras maneiras, como impaciência e isolamento.

“No momento em que completam 1 ano, os bebês percebem que os pais podem ajudá-los a regular suas emoções. Eles choram e você vem correndo. À medida que crescem fora do estágio inicial, as crianças começam a entender que certas emoções estão associadas a determinadas situações, “diz o Dr. Shlisky. O perigo da tristeza e não entender sua fonte é que a tristeza pode se transformar em raiva e resultar em colapsos. Se toda vez que seu filho chora você tenta acalmá-lo, está apenas colocando um curativo em uma situação, em vez de ajudá-lo a resolver um problema. “As crianças precisam das ferramentas para poder dizer: ‘Sinto-me triste porque…’ caso contrário, eles estão aprendendo que seus sentimentos podem ser silenciados e não aprenderão a nomear os verdadeiros motivos de sua tristeza”, acrescenta o Dr. Shlisky.

Explique o sentimento

Por exemplo, se seu filho perder seu bicho de pelúcia favorito e estiver triste, ouça-o da maneira que for e deixe-o ver pelas suas ações que você está lá para ele se precisar de abraços ou aconchegos extras, ou só preciso chorar. “Você também pode normalizar os sentimentos deles contando uma história de como sofreu uma perda semelhante quando tinha a idade deles. Seja honesto sobre o quão triste foi e como chorou. Fale sobre o que o ajudou com seus sentimentos tristes. Os pais costumam tentar ser forte com os filhos, para mostrar a eles que tudo vai dar certo. No entanto, pode ser benéfico para uma criança ver adultos mostrando emoções apropriadas. É bom dizer: “Papai também está triste”. Dr. Shlisky recomenda demonstrar que sentimentos não são algo que eles precisam tentar mascarar ou sentir vergonha.

Como tornar as coisas mais fáceis

Evite a armadilha de dizer “use suas palavras” quando uma criança estiver chateada, pois não é uma expectativa racional, uma vez que a criança ainda está aprendendo a lidar com tudo que sente. “Eu digo a muitos pais para criar um gráfico de sentimentos usando emojis que todas as crianças adoram – e usá-lo para ensinar os filhos a reconhecer como as expressões faciais se correlacionam com os sentimentos”, diz Gleicher. Ou, se não puderem dar um nome à sensação que estão tendo, poderão apontar para a expressão que corresponde a ela.

Medo

Alguns medos são bem comuns (Foto: iStock)

“Quando crianças pequenas têm medo, isso envolve algum nível de percepção sobre o perigo”, diz Gleicher. Alguns medos são naturais – a maioria das crianças tem medo de estranhos, do escuro e da separação dos pais. Mas ter medos constantes não é normal. Seu filho pode ter ouvido algo na TV, visto algo ou alguém que os deixou desconfortáveis ​​ou participado de um evento da vida real os assustou, como um acidente de carro, por exemplo.

Identifique o sentimento

Como existem medos dos quais nem sempre podemos proteger nossos filhos, como uma pandemia mundial, certifique-se de validar as preocupações de seu filho com a situação (“isso parece realmente assustador”) em vez de menosprezar como eles estão se sentindo dizendo a eles que tudo ficará bem. “Seja calmo e prosaico na forma em que fala, para que seu filho se sinta seguro”, diz o Dr. Shlisky.

Explique o sentimento

Você pode expressar que tem sentimentos semelhantes (“eu também me sinto assim”) e perguntar ao seu filho se ele deseja fazer alguma pergunta sobre isso. E se você realmente não souber a resposta? É melhor dizer que você encontrará maneiras de aprender mais e responderá quando puder. Às vezes, simplesmente permitir que seu filho processe verbalmente o que está acontecendo em sua cabeça ajudará. “Às vezes, nossos filhos precisam nos contar as coisas simplesmente porque são complicadas ​​demais para se agarrarem sozinhos”, diz ela. Ajudá-lo a se sentir confiante de que há uma porta aberta e um ouvido sempre que precisar pode ser o conforto que ele precisa.

Como facilitar as coisas

Como é mais difícil para uma criança expressar a raiz de seu medo, contar histórias, encenar situações ou ler livros sobre uma situação particularmente assustadora pode ajudar as crianças a superar os medos.

Ciúmes

O ciúmes é bem comum (Foto: Getty Images)

O monstro do ciúme tem um jeito de tirar o melhor de nós, aparecendo em crianças a partir dos 3 meses, diz Francyne Zeltser, psicóloga em Nova York. É uma emoção facilmente sentida e frequentemente expressada – a mãe segura o bebê de um estranho ou um irmão recebe presentes de aniversário -, mas o conceito de ciúme é complicado de explicar. Embora seja frequentemente descrito como sentimentos ou pensamentos de insegurança, medo ou preocupação com uma relativa falta de bens ou segurança, também pode ser o sentimento de inadequação, desamparo ou ressentimento. “Os sentimentos de ciúme geralmente estão enraizados nas necessidades de um indivíduo não serem atendidos. Ele pode se desenvolver a partir de uma falta de confiança e, muitas vezes, leva a uma sensação de insegurança”, diz o Dr. Zeltser.

Identifique o sentimento

Ciúme e inveja estão intimamente relacionados; no entanto, com inveja, você quer o que nunca teve e, com ciúme, você está se sentindo ameaçado com a perda de algo que tem ou pelo menos acredita que tem.

O ciúme material é uma inveja (“eu quero o que ela tem”) e começa mais cedo que você pensa. “As crianças não pensam duas vezes em pegar um brinquedo que querem de um colega. Felizmente, uma vez que as crianças estão matriculadas na escola e começam a entender as normas da sociedade, elas geralmente param de roubar o que querem de seus colegas – mas isso não as impede de querer ou desejar as mercadorias que outras crianças têm “, explica o Dr. Zeltser. Tente mudar o foco dos bens materiais para as riquezas não monetárias que sua família tem. Talvez você possa passar mais tempo com seus filhos por causa de seu horário de trabalho flexível. Aponte os aspectos positivos para que você possa desviar a narrativa de se sentir inadequada para se sentir confiante.

Depois, há ciúmes sociais, como se sua filha não fosse convidada para uma festa do pijama, o que causa sentimentos de insegurança ou inadequação. “Algumas crianças têm um entendimento de justiça que acaba gerando uma luta interna para elas quando ocorre uma situação que mostra como algo pode ser injusto”, diz o Dr. Zeltser. A primeira regra prática para os pais que lidam com ciúmes sociais é nunca desconsiderar os sentimentos de seu filho. Afinal, embora você não ache que o drama sobre o ‘não convite‘ seja um problema, ele pode significar o mundo para o seu filho. Quando seu filho começar a falar sobre o que a está incomodando, seja compreensivo. Tente dizer: “Posso ver como isso faria você se sentir deixado de fora”. Em seguida, resolva os problemas oferecendo sugestões reais para ajudar seu filho a superar esses sentimentos de inveja, como realizar uma festa do pijama mais inclusiva (mesmo com a garota que deixou sua filha de fora) ou ingressar em um novo clube ou equipe da escola para criar mais amizades.

Há outro tipo de ciúme com crianças pequenas que envolve pensar que você perderá ou perderá algum afeto, atenção ou segurança de outra pessoa por causa de alguém ou de alguma outra coisa, incluindo o interesse por uma atividade que o afasta. Isso pode aparecer na menor das situações, como quando seu filho quer comer a maior fatia de bolo de aniversário na festa do amigo. Se seu filho chora quando vê que não consegue o que quer (afinal ele não é o aniversariante), pergunte a ele o que está acontecendo que o faz chorar (mesmo que você saiba o porquê). Você quer que seu filho fale sobre suas emoções para reconhecer por que elas ocorrem. “Você quer validar suas emoções e reconhecê-las”, diz o Dr. Zeltser. “Vejo que você está chateado com o bolo” e “às vezes não conseguimos o que queremos” – a chave é nunca começar a próxima frase com a palavra “mas”, pois você invalida implicitamente os sentimentos deles. Continue com “e”, como:  “E é normal querer a maior fatia de bolo. Hoje vamos deixar seu amigo comer porque é o aniversário dele”. Em seguida, mude o foco para algo que faça seu filho se sentir feliz, como pedir a que ele diga ao amigo o quanto ele está se divertindo.

Como facilitar as coisas

O maior erro que os pais cometem é dizer a uma criança: “Não há motivo para ficar triste” ou “Pare de chorar” porque isso não ajuda o fato de seu filho já estar triste. Você está restringindo ainda mais as emoções deles e dizendo a eles para não demonstrá-lo, em vez de ensinar como lidar com isso.

O 9º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Tal da Felicidade está aí! Ele vai acontecer no dia 19 de agosto, completamente online e grátis. Serão oito horas de transmissão ao vivo e você pode acompanhar tudo neste link aqui. Esperamos por você!

-Publicidade-