Toda família preta importa: como criar crianças antirracistas desde cedo

Para mudar o futuro, devemos começar o quanto antes. Não basta apenas falar e ser contra o racismo. É preciso criar as crianças a partir de uma educação antirracista desde sempre e dentro de casa

Resumo da Notícia

  • O racismo ainda existe e precisa ser falado
  • Conversamos com especialistas para entender o impacto dele na sociedade e de que forma mudar isso
  • Todos precisam fazer a sua parte
Educação faz toda a diferença e os pais têm um papel fundamental (Foto: iStock)

“Todos nós somos preconceituosos”. É com essa reflexão que Paula Batista, jornalista e madrasta de Iara Flor e Sofia Lua, inicia a nossa conversa sobre racismo. Para ela, se trata de uma questão estrutural e cabe a cada um perceber esses comportamentos e começar a mudar de postura. O racismo nunca desapareceu e situações como o caso George Floyd reforçam essa questão. A especialista destaca a importância de falar sobre o assunto, trazer informações e, principalmente, educar as pessoas para que esses comportamentos, de fato, mudem. Mas para a mudança acontecer, ela precisa começar agora e desde as gerações mais novas. 

Hoje, Paula entende que nós temos uma “representação negra”, não “representatividade”. O primeiro trata de colocar o indivíduo em pauta, mas o segundo é dar a voz e espaço para que compartilhe experiências e seja protagonista. É preciso falar. Falar na mídia, mas principalmente fora dela, nas ruas e dentro de casa. Esse período de isolamento social e maior convívio é uma oportunidade para debater o assunto em família. “Comece fazendo seu filho enxergar as pessoas negras”, orienta. É necessária a participação de todos nesse movimento. 

É preciso falar com as crianças 

Ela defende que isso vai muito além de uma questão racial. É sobre respeitar o ser humano. “Aqui em casa é proibido fazer piada de alguém por uma questão estética”, conta. Essa prática não acrescenta em nada e não faz sentido. Diante de tanta diversidade, a solução não é colocar todo mundo na mesma caixa, mas escutar o que todos os grupos têm a dizer. Tudo começa como um exercício diário para então se tornar um hábito. 

O diálogo é fundamental nesse momento (Foto: Getty Images)

Precisamos criar afetividade entre brancos e negros para gerar empatia. E isso começa desde criança”, defende. Para promover o assunto ela e Débora Bastos, publicitária e mãe de José criaram o projeto Criando Crianças Pretas: “O que a gente propõe é uma linguagem prática. Queremos resgatar a criança preta que existe dentro de nós. Hoje falamos sobre racismo sem dor”. Elas enfatizam que a convivência entre brancos e negros precisa ser vista como normal.

Não é só hoje, mas todos os dias 

Daniela Generoso, professora, mãe de Pedro e Daniel, também acredita que a conversa é o melhor caminho. Mas vai além, propondo que não basta falar, é preciso fazer. “A partir do momento em que a criança vê você fazendo diferença (de cor ou qualquer outro aspecto) entre as pessoas, ela irá reproduzir isso, mesmo que seu discurso seja contrário”, pontua. É importante entender que as crianças são o que vivem e a representação social é fundamental para mudar a realidade. 

A identificação também é um ponto chave para reforçar a representatividade. Segundo Daniela, é necessário primeiro a autoaceitação para que depois consigam aceitar o outro. Além de falar e fazer, tem outra questão essencial: escutar o que a criança tem a dizer. Assim, o seu filho irá conversar se algo acontecer com ele e vocês poderão continuar a levantar o assunto em casa para mudar a realidade lá fora. “A partir do momento em que a criança que sofreu racismo for empoderada de si, ela sabe o seu papel dentro da sociedade e fica mais fácil de coibir esse tipo de atitude”, justifica. 

Todos precisam estar conscientes e dispostos a mudar a realidade (Foto: Getty Images)

Como criar crianças livres de racismo

Para Kiusam de Oliveira, Doutora em Educação, filha de Erdi e “mãe das crianças do mundo”, um ponto fundamental de entender é que as crianças não chegam como um livro em branco em que os adultos irão preencher. Elas têm opiniões e precisam ser escutadas. “Pensar dessa forma, é como colocar ela em uma caixa com tampa e ensinar que ou você está dentro ou fora. Os adultos enxergam a criança como um ‘vir a ser’, mas ela já ‘é’”, conta. Para a pedagoga, a criança aprende sobre racismo na socialização secundária, ou seja, fora de casa, quando tem contato com o mundo.

“Nessas trocas, olhares e falas, nós nos constituímos”, defende. Por isso, é fundamental inserir o assunto mesmo antes dela dar esse passo. Assim, ela não apenas aprenderá a partir do discurso adulto, como também ensinará com o seu ponto de vista. De acordo com ela, a visão do adulto precisa ser de problematizar e não naturalizar, mas buscando entender o princípio daquele pensamento. Confira alguns conselhos para criar os filhos livres de racismo de acordo com Kiusam:

  • Ofereça condição para que a criança experimente diferentes sensações, visões e ideais, de forma intergeracional, entendendo que os mais novos aprendem com tudo e todos sempre.
  • Possibilite outra forma de brincar e agir que não binária (como por exemplo: menina usa rosa e menino azul; ou que algo é bonito ou feio/certo ou errado). É preciso ir além.
  • Encare a criança como agente no mundo, que traz seus saberes e conhecimentos. Por isso é tão fundamental pararmos para ouvi-las. 
  • Disponibilize literatura de colo focada na diversidade, fazendo com que a criança tenha contato com o múltiplo através de livros com diferentes formatos, personagens e conteúdo. 
  • Em relação à criança negra, propicie que tenha contato com a literatura negro-brasileira, que traz e trata de questões focadas nas reproduções racistas, mas também dando possíveis soluções.
  • Ouça e observe mais o seu filho para entender as subjetividades que ele têm. Não é apenas através da fala que o ser humano se comunica.
  • Promova experiências focadas em trocas culturais diversas. Inclua a criança nesse meio para que a diversidade seja apresentada como possibilidade e não forma de segregação.   
  • Busque informações e se atualize sobre as questões do Brasil e do mundo. Parar e ouvir o outro é fundamental para entender formas de pensar e ver uma determinada questão. 
  • Se a criança apresentar uma narrativa que aponte diferença como demérito, pare tudo para estabelecer um diálogo, sempre na horizontal, com o objetivo de entender a origem daquele pensamento

 

Falar sobre diversidade deve ser uma prática, afinal essa é a realidade do mundo (Foto: Getty Images)

“O impacto das práticas racistas, de não ser compreendido é extremamente perverso e danoso, prejudicial para qualquer infância”, afirma. Para ela, as práticas de exclusão geram uma ruptura psíquica em que muitas crianças perdem a autoestima, demorando muito tempo para recuperá-las. Dessa forma, é interessante que os pais valorizem a diferença e tratem com carinho essas questões. “Eu acredito na possibilidade de um mundo sem racismo, por isso estou desde os meus 14 anos lutando pela causa. O combate ao racismo é uma luta para todos”, finaliza. 

Novo aplicativo Pais&Filhos Interativo: teste seus conhecimentos, acumule pontos para trocar por prêmios e leia conteúdos exclusivos! Para baixar, CLIQUE AQUI.