Todo sentimento importa: 5 dicas para ajudar o desenvolvimento emocional do seu filho

O humor do seu filho oscila a cada minuto? Temos maneiras de ajudar a suavizar os altos e baixos

Resumo da Notícia

  • Entenda o motivo das crianças ter tais mudanças extremas de humor
  • Saiba lidar com a montanha-russa dos sentimentos do seu filho
  • Veja as dicas para ajudar no desenvolvimento emocional do seu filho

Viver com uma criança em idade pré-escolar pode ser como andar em uma montanha-russa de emoções. Seu filho está feliz por estar brincando com seu brinquedo favorito, depois com raiva porque o irmão mais velho o tomou e depois triste porque o brinquedo está quebrado. No curto prazo de tempo, ele passou das risadas à raiva e às lágrimas, e o drama provavelmente também deixou você exausta.

-Publicidade-
Saiba lidar com a montanha-russa dos sentimentos do seu filho (Foto: Freepik)

Por que crianças pequenas tendem a ter tais mudanças extremas de humor? Não é porque eles sentem as coisas mais intensidade do que os adultos. “Crianças pequenas e pré-escolares simplesmente não aprenderam a expressar suas emoções de maneiras socialmente aceitáveis, de modo que tendem a perder o controle muito rapidamente”, diz Linda Acredolo, Ph.D., coautora de Corações de Bebê: Um Guia para Doar Seu filho uma Vantagem Emocional.

O desenvolvimento emocional do seu filho começa desde o nascimento. Estudos mostram que os recém-nascidos são capazes de sentir angústia e felicidade, e que uma criança pode demonstrar alegria, tristeza, raiva e medo por volta do ano de vida. O ciúme e a culpa surgem por volta dos 2 anos de idade. As habilidades de lidar com esses sentimentos, entretanto, geralmente não aparecem tão cedo ou tão facilmente.

-Publicidade-

É aí que você entra. Como mãe, é sua função ajudar seu filho a reconhecer o que está sentindo e a lidar com isso da maneira adequada. De acordo com a pesquisa de John Gottman, Ph.D., co-autor de Raising an Emotially Intelligent Child, treinar uma criança para rotular suas emoções na verdade acalma seu sistema nervoso, o que se traduz em menos colapsos. A recompensa a longo prazo é ainda maior: estudos mostram que crianças que conseguem administrar seus sentimentos se dão melhor com seus colegas, se destacam na escola e são menos propensas a se comportar de maneira desafiadora ou agressiva. Nosso guia ajudará seu filho a aprender como lidar com suas emoções fortes – e fornecerá exercícios que você pode fazer juntos.

Tchau, raiva!

A raiva é uma emoção especialmente difícil para seu filho controlar porque causa uma onda de adrenalina que faz o coração disparar e aumentar o impulso de atacar. Reprimir uma resposta inadequada, como bater ou morder, exige reforço contínuo com estas seis etapas:

1. Explique para seu filho por que ele está chateado (“Você está bravo porque João riscou a sua girafa”).

2. Valide seus sentimentos (“Eu também ficaria chateado se isso acontecesse com as minhas coisas”).

3. Explique que bater (ou chutar ou morder) não é uma maneira adequada de lidar com sua raiva.

4. Pergunte como ele acha que suas ações fizeram a outra pessoa se sentir.

5. Aplicar uma consequência (como um tempo limite ou perda de privilégios).

6. Peça a uma criança mais velha que peça desculpas assim que se acalmar.

Embora socar um travesseiro ou bater os pés possa parecer uma maneira razoável de seu filho desabafar, um estudo publicado no Boletim de Psicologia Social e Personalidade sugere que esses meios de comunicação realmente fazem o oposto. “Eles aceleram ainda mais uma criança”, diz Matthew Hertenstein, Ph.D., pesquisador-chefe do Laboratório de Toque e Emoção da Universidade DePauw, em Greencastle, Indiana. A melhor maneira de livrar-se da raiva é ele realizar algumas atividades não agressivas (como exercícios) por um tempo para liberar a energia negativa.

Experimente isso! Na hora de dormir, no dia de um episódio de raiva, peça para seu filho se deitar de costas, fechar os olhos, colocar as mãos na barriga e fazer este exercício (explique que isso o ajudará a relaxar para que ele adormeça mais rápido). Enquanto ele inspira, diga a ele para imaginar um balão se enchendo de ar. Peça-lhe para prender a respiração por alguns segundos e depois expire lentamente para que o balão fique pequeno novamente. Então, da próxima vez que ele ficar com raiva, você pode sugerir que ele coloque as mãos sobre o estômago e se imagine enchendo um balão e soltando o ar enquanto respira fundo para se acalmar.

Enfrentando o medo

Todo tipo de coisa pode assustar uma criança, desde cachorros, o início da pré-escola até o aspirador de pó que parece que pode engoli-la inteira. Isabelle Ondrak, de três anos, por exemplo, tem um problema sério com insetos. “Ela grita com a simples visão de qualquer inseto voador”, diz sua mãe, Cathy, de Denver.

Os especialistas dizem que é importante levar esses medos a sério porque eles são muito reais para o seu filho. “Dizer: ‘Não seja bobo. Este inseto não vai machucar você’ não valida o sofrimento dela”, diz o Dr. Gottman. Em vez disso, concentre-se em aliviar a ansiedade do seu filho. Você pode apontar as semelhanças entre as abelhas (ai!) E as borboletas (lindas) – ambas voam, ajudam as flores a crescer e são coloridas. Você também pode tentar uma abordagem “mostre e diga”. Por exemplo, mostre a ela que o aspirador não consegue nem mesmo sugar uma pequena caixa de lenços de papel ou explique por que os cães latem tão alto (“é assim que eles falam e se comunicam”).

Experimente isso! Os pré-escolares têm muito menos probabilidade de ter medo de alguma coisa se forem capazes de imaginá-la de uma forma lúdica e não ameaçadora, de acordo com um estudo publicado na Child Development. Com isso em mente, você pode pedir ao seu filho que faça um desenho do cachorro assustador do vizinho e depois adicione cílios longos, bolinhas rosa nas bochechas, sardas e outras coisas bobas para torná-lo menos intimidante. Quando a obra-prima estiver concluída, dê a ela um título (como “Bob, o Cachorro bobo”) e dê uma boa risada. Na próxima vez que ela ficar com medo, diga a ela para se lembrar do desenho e sugerir um mantra tranquilizador (“Bob, o Cachorro bobo não vai me machucar”).

Mais maneiras de ajudar os pequenos a expressar emoções

Controlando o ciúme

O ciúmes é uma emoção natural de crianças em idade pré-escolar, mas não espere que seu filho perceba o que está sentindo. É mais provável que ele diga que está “bravo” ou “frustrado” porque seu irmão mais novo recebe tanta atenção ou que seu amigo tem seu próprio quarto enquanto ele precisa dividir um. Embora seja óbvio para você que ele está com ciúmes, fazê-lo se sentir melhor não é tão simples. Você pode começar reconhecendo a maneira como ele está se sentindo (“eu sei que você gostaria de ter seu próprio quarto como Ben, e isso o deixa com um pouco de ciúme”). Em seguida, dê algumas sugestões para acalmar esse sentimento. Você pode tentar dividir o quarto de seus filhos para que eles tenham um espaço dedicado ou estabelecer horários específicos para usá-lo sozinho. Se ele está com ciúme de um recém-nascido, explique que os bebês não podem fazer as coisas sozinhos como os meninos grandes podem. Em seguida, reserve um intervalo regular de tempo para ficar a sós com ele – e faça o possível para evitar interromper seu encontro, para que ele saiba que ainda está em primeiro lugar.

Experimente isso! Em um momento de silêncio, faça uma lista junto de todas as coisas pelas quais ele tem que agradecer (amigos, uma bela casa, uma família que o ama, comida para comer, etc.). Leia-os sempre que seus sentimentos de ciúme voltarem. Reforce a ideia fazendo com que ele empacote roupas e brinquedos que ele deixou de lado depois que cresceu e os doe a um abrigo local. Explique que algumas crianças não têm jogos para brincar, roupas que sirvam ou mesmo um lugar para chamar de lar.

Deixando ir a culpa

Aos 3 ou 4 anos, seu filho está desenvolvendo a consciência. Mesmo se ninguém o testemunhar fazendo algo errado, ele provavelmente se sentirá mal por isso. Quando Leigh Face, de Hagerstown, Maryland, encontrou uma caixa de quebra-cabeça presa no parapeito da janela, sua filha de 4 anos, Natalie, alegou que não sabia o que havia acontecido. Mas no dia seguinte, Natalie de repente começou a chorar. “Acontece que ela havia derramado leite e cobriu com a caixa”, diz Face. “Ela se sentiu péssima sobre isso”.

Nesse caso, chorar sobre o leite derramado era uma coisa boa; significava que Natalie havia desenvolvido um senso de certo e errado. Um estudo publicado no Journal of Personality and Social Psychology descobriu que crianças pequenas que se sentiam culpadas quando se comportavam mal eram mais capazes de controlar sua conduta na escola primária. “Ter remorso permite que a criança reflita sobre as consequências de sua ação, o que a torna menos propensa a fazê-lo novamente”, disse Rahil Briggs, Psy.D., psicólogo infantil e diretor do programa Healthy Steps no Montefiore Medical Center, no Bronx, Nova York.

Você pode ajudar seu filho a superar a culpa definindo-a (“você se sente mal por não me contar o que aconteceu”), explicando por que foi a coisa errada a fazer (“você deve sempre dizer a verdade”), sugerindo um caminho melhor para o futuro (“da próxima vez, avise-me imediatamente quando derramar algo para que seja mais fácil limpar”) e fazer as pazes (“agora vamos trabalhar juntos para limpar”).

Experimente isso! Livros que têm uma mensagem moral podem iniciar uma conversa sobre honestidade e culpa. Enquanto estiver lendo, pare e faça perguntas ao seu filho, como: “O que você faria se estivesse na mesma situação do irmão e da irmã Urso?” ou “Como você acha que eles se sentiram quando mentiram?”.

Acalme a tristeza

A vida de uma criança em idade pré-escolar tem um montão de decepções, como quando a aula é cancelada ou ela tem problemas por falar durante a aula. A tristeza de uma criança costuma desaparecer rapidamente, mas às vezes pode durar muito tempo. Quando Faith Wiggins, de 4 anos, perdeu seu novo anel na escola, ela ficou com o coração partido. “Semanas depois, ela ainda chorava por causa disso de vez em quando”, diz sua mãe, Paula, de Greencastle, Indiana.

Quando seu filho estiver se sentindo triste, não tente apenas distraí-lo. Em vez disso, conte a ele sobre uma época em que você se sente triste quando criança (“uma vez perdi meu ursinho de pelúcia e não parar de chorar”). Segure sua mão, dê-lhe um abraço e diga que não há problema em ficar abatido às vezes. Em seguida, tenha ideias para levantar seu ânimo, como brincar de se vestir com algumas de suas outras joias de brincar.

Experimente isso! Na mesa de jantar, compartilhe um acontecimento que o deixou feliz e que o deixou triste naquele dia. Em seguida, peça a seu filho que faça a mesma coisa (crianças pequenas podem precisar de algum estímulo para relembrar eventos específicos e se expressar). Isso a ajudará a aprender a identificar essas emoções e a perceber que experimenta os mesmos tipos de sentimentos que outras pessoas – o que é a primeira etapa crítica para ajudá-la a descobrir como controlá-los.

Para ficar de olho!

É típico de uma criança ter sentimentos fortes. Mas se ela parece deprimida na maioria das vezes ou oscila rapidamente entre a tristeza e a euforia, ela pode ter um transtorno de humor. Harold Koplewicz, M.D., conselheiro de pais e diretor do Child Mind Institute, na cidade de Nova York, sugere consultar um especialista em saúde mental se seu filho exibir um ou mais desses sinais diariamente por pelo menos duas semanas.

  • Reclamações frequentes sobre doenças físicas (“mãe, estou com dor de cabeça”)
  • Grave irritabilidade e agressão, muitas vezes acompanhados de gritos ou acessos de raiva
  • Medo intenso sobre o futuro, doença ou morte
  • Perda de interesse em brincar com amigos e fazer atividades divertidas (como ir a uma festa de aniversário)
  • Regressão (como fazer xixi na cama ou sujar a calcinha muito depois de ter sido treinada para ir ao banheiro)
  • Dificuldade repentina em dormir ou dormir por muito tempo

-Publicidade-