Uou! Avó faz primeira tatuagem aos 75 anos com neto tatuador

A idosa realizou uma vontade que tinha de tatuar a imagem de Nossa Senhora Aparecida, para homenageá-la

Resumo da Notícia

  • Cleudazir Caetano Cordeiro, aos 75 anos decidiu fazer a primeira tatuagem da vida e, com um significado muito importante para ela!
  • O próprio neto, Jeferson Chevalier Neves, mais conhecido como Taguinho, que já atua na área há 10 anos
  • A idosa realizou uma vontade que tinha de tatuar a imagem de Nossa Senhora Aparecida, para homenageá-la

Quanta coragem! Cleudazir Caetano Cordeiro, aos 75 anos decidiu fazer a primeira tatuagem da vida e, com um significado muito importante para ela! Cleudazir, tatuou a imagem de Nossa Senhora Aparecida e o tatuador foi o próprio neto, Jeferson Chevalier Neves, mais conhecido como Taguinho, que já atua na área há 10 anos.

-Publicidade-
Neto fez a primeira tatuagem da avó (Foto: Reprodução / Facebook Taguinho Artes)

Taguinho, que atualmente tem um estúdio na cidade São Tomé das Letras (MG), mas confessa que já teve em várias partes do Brasil, diz que sempre mantinha contato com a avó e, apesar dela sempre incentivar as tatuagens, ele  ficou surpreso com o pedido, já que é raro pessoas dessa idade tatuando.

“É uma quebra de tabu gigantesca, porque já se passaram 75 anos da vida. Pessoas dessa idade têm muita coisa implantada na cabeça. E ela se abriu para isso, foi surpreendente, magnifico e é gratificante pra mim como artista e como neto. Fora que isso serve como exemplo para ampliar a visão das pessoas também”, disse o tatuador, para o G1.

-Publicidade-
Resultado da tatuagem (Foto: Reprodução / Facebook)

A avó, Dona Cleuza confessou que ficou com receio da dor, mas que o processo foi tranquilo e pretende fazer mais. “Não doeu. Eu decidi fazer a minha primeira tatuagem porque eu sempre quis fazer uma homenagem a Nossa Senhora da Aparecida, meu neto me incentivou, foi gentil comigo. Eu gostei muito dela, ele tem uma mão santa, porque cicatrizou muito bem, e já está perfeita. Agora quero estar forte para fazer mais, se Deus quiser.”

Tanguinho, também concordou que o processo foi tranquilo e que não sentiu muita diferença em tatuar alguém na idade da avó. “Na pele mais madura a pigmentação demora mais para ser aplicada, e o fato de ser mais flácida e com rugas dificulta um pouco o processo. O restante não interfere em nada. As pessoas têm uma ideia errada das tatuagens em peles envelhecidas, na verdade a tatuagem disfarça cicatrizes, manchas e até rugas. A vida é muito curta para não se tatuar”, ressaltou.

As tatuagens, de acordo com Cleuza, são apenas expressões artísticas que deveriam ser vistas com outros olhos. “Acho que esse preconceito antigo não tem nada a ver, o que manda é o caráter da pessoa. E não tem idade para isso. Hoje em dia muita gente tem, quem quiser fazer, que faça sim, assino embaixo”, finalizou.

-Publicidade-