Vacina contra câncer no cérebro tem resultados positivos na primeira fase de testes

Um estudo publicado pela revista especializada Nature apontou efeitos promissores da imunização em pacientes com glioma difuso

Resumo da Notícia

  • Vacina contra câncer no cérebro tem resultados positivos na primeira fase de testes
  • A descoberta foi publicada pela revista especializada Nature
  • O estudo publicado apontou resultados promissores na primeira fase de testes
  • Apesar disso, ainda é cedo para falar sobre a eficácia do imunizante

Pesquisadores alemães estão trabalhando no desenvolvimento de uma vacina que ajuda o sistema imunológico a lutar contra células cancerosas. Segundo um artigo publicado pela revista científica Nature, os resultados da primeira fase de testes foram promissores e não apresentaram efeitos colaterais.

-Publicidade-
Vacina contra câncer cerebral apresenta resultado positivo nos testes preliminares (Foto: Freepick)

A vacina foi utilizada em pacientes com glioma difuso, um tipo de câncer que se espalha pelo cérebro e é extremamente difícil de ser removido por completo. Os tratamentos como quimioterapia e radioterapia também tem efeitos limitados nesses pacientes. O estudo apontou que 70% dos pacientes com esse tipo de câncer têm uma mutação de gene parecida, tornando possível a produção de um imunizante que evite a proliferação do glioma difuso.

Como apontado pelo site Good News Network, os pesquisadores começaram os testes anos atrás em ratos com mutação artificial da proteína IDH1, similar a encontrada nestes tipos de câncer. Depois de aplicar a vacina nesses roedores, a células cancerosas pararam de aumentar, indicando um resultado positivo nos testes preliminares. Na época em que saiu os resultados dos testes feitos em ratos, o diretor médico do Departamento de Neurologia da Universidade de Medicina de Mannheim, chefe da Divisão de Pesquisa Alemã do Câncer e diretor do estudo, Michael Platten, ganhou o Prêmio Alemão do Câncer.

A partir daí, ele e a equipe evoluíram para outros passos do teste. Para isso, aplicaram o imunizante em 33 pacientes de diferentes centros de tratamento para câncer na Alemanha. Destes, 30 apresentaram resposta imunológica à vacina. Como relatado por eles na pesquisa publicada, grande parte dos voluntários tiveram um “pseudo-progresso” com células imunizantes atacando o tumor.

Os estudos, que foram iniciados em 2018, apontaram que 84% dos pacientes vacinados sobreviveram ao câncer, enquanto 63% do pacientes não sofreram nenhum crescimento do tumor desde então. Além disso, entre os pacientes que tiveram respostas específicas do sistema imunológico, 82% não apresentaram progressão da doença. Apesar dos resultados positivos até o momento, os pesquisadores apontaram que ainda não é possível tirar nenhuma conclusão precipitada sobre a real eficácia da vacinação nessa primeira fase dos estudos.

“Nós não podemos tirar qualquer conclusão precipitada sobre a eficácia da vacina deste estudo em fase inicial sem um grupo de controle. Mas a segurança e o grau de imunização da vacina foram tão convincentes que vamos continuar perseguindo o conceito da vacinar em uma fase I avançada dos estudos”, explicou Platten.