Vacina da Johnson contra Covid-19 é segura e induz resposta imune, dizem dados

Segundo a empresa americana, os resultados preliminares indicaram imunidade com uma única dose do imunizante. A Fase 3 de testes foi aprovada pela Anvisa no Brasil em agosto e deve contar com 7 mil voluntários

Resumo da Notícia

  • Os primeiros resultados da vacina  mostram que a dose é segura e induziu resposta imune com apenas uma única aplicação
  • Os dados são referentes às Fases 1 e 2 de testes, mas a empresa americana já tem autorização para o iniciar a fase final.
  • O imunizante, chamado Ad26.COV2.S, está sendo elaborado pela farmacêutica Janssen Pharmaceuticals, que pertence ao grupo J&J

Os primeiros resultados preliminares da vacina contra o Covid-19 desenvolvido pela Johnson & Johnson mostram que a dose é segura e induziu resposta imune com apenas uma única aplicação. Os dados são referentes às Fases 1 e 2 de testes, mas a empresa americana já tem autorização para o iniciar a fase final.

-Publicidade-
A fase 3 de testes ainda não começou (Foto: Unsplash)

Apesar do resultado ainda não ter sido revisado por outros cientistas, o que é obrigatório para que seja publicado em alguma revista científica, o documento foi disponibilizado online na última sexta-feira, 25 de setembro.

O imunizante, chamado Ad26.COV2.S, está sendo elaborado pela farmacêutica Janssen Pharmaceuticals, que pertence ao grupo J&J. Em agosto, a vacina recebeu autorização para os testes em massa no Brasil, que, segundo a Anvisa, deve contar com 7 mil voluntários.Ao todo, a Fase 3 deve contar com 60 mil participantes espalhados pelo mundo.

-Publicidade-

Covid-19: estado de São Paulo terá vacina para toda população até início de 2021

O Governador prevê que a produção de 15 milhões de doses até dezembro (Foto: Divulgação)

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou em setembro que haverá vacina contra o Covid-19 para toda a população do estado até fevereiro de 2021. Segundo o político, 46 milhões de doses do imunizante devem chegar ao Brasil até dezembro; 15 milhões no começo de 2021. O imunizante esperado pelo estado de São Paulo é o desenvolvido pela China, o CoronaVac, que já está em acordo de fabricação com o Instituto Butantan. 

“Teremos a vacina para atender a totalidade da população de São Paulo já ao final deste ano e ao longo dos dois primeiros meses de 2021. Temos que finalizar a terceira etapa de testagem, esperando que tudo continue correndo bem e temos a aprovação final da Anvisa”, disse ele. Doria também disse que caso a vacina chinesa não seja contemplada pelo Ministério da Saúdeno Programa Nacional de Imunização, o estado já está trabalhando com um plano alternativo de vacinação.

A CoronaVac já foi registrada na China (Foto: Unsplash)

A CoronaVac já foi registrada na China e segue na Fase 3 de testes, etapa que determina a eficiência e segurança do medicamento. Se for aprovada, a vacina ainda precisará ser liberada pela Anvisa antes de ser fabricada no Instituto. “Nós precisamos do programa nacional de imunização para através do Sistema Único de Saúde promover a distribuição absolutamente gratuita da vacina. Não tenho dúvida de que será seguido esse rito”, completou Doria.

-Publicidade-