Vacinação em dia: proteção e cuidado de família

Cuidar de todos é um dever que precisa começar desde cedo, seja para o bebê, criança, adolescente, adulto, gestante, ou idoso, é preciso ficar de olho no calendário nacional de imunização e garantir a segurança aqui e agora

Resumo da Notícia

  • Vacinar as crianças é fundamental
  • Muito mais do que um ato de amor ao seu filho, é um ato de amor pela sociedade
  • Não perca mais tempo, saiba a importância de manter o calendário atualizado

Durante a infância é quando o sistema imunológico está em fase de desenvolvimento e precisa de uma das medidas mais importantes para a prevenção de doenças: as vacinas! Por ser um papo que não pode ficar de fora das conversas de família, é muito importante conscientizar sobre o assunto. Infelizmente, pela primeira vez no século, o Brasil não conseguiu atingir nenhuma meta das principais vacinas infantis, segundo o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

-Publicidade-
Imunização em dia faz toda a diferença (Foto: Getty Images)

Apesar da taxa da queda vacinal, que vem acontecendo desde 2013, é possível mudar este cenário juntos. Mesmo durante a pandemia, vale reforçar que o calendário de vacinação precisa (e deve!) ser seguido, para evitar que doenças já erradicadas possam voltar. No caso do sarampo, por exemplo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou os casos como eliminados em 2016, já que o Brasil não apresentava há um ano pessoas contaminadas. Em 2018, como reflexo da queda de imunizações, 995 pacientes foram diagnosticados entre 1o de janeiro e 23 de maio, segundo a OMS.

Vacinar também é carinho

Tanto na imunização para as crianças, como para os adultos, ainda existe a falsa segurança sobre vacinar para as doenças que geralmente as pessoas não conhecem ou viram. Com a volta às aulas e também a possibilidade de viagens em família no Natal e Ano Novo, não tem jeito: é importante proteger o seu filho e manter a caderneta de vacinação atualizada, para prevenir as principais ameaças ao organismo.

Imunizar não é um cuidado apenas com o seu núcleo familiar. É uma responsabilidade que toda a sociedade precisa ter em conjunto. Felizmente, no Brasil temos o maior programa de vacinação do mundo, portanto, não podemos deixar que doenças já erradicadas voltem e sejam uma nova ameaça.

Reforçando o cuidado

Após as vacinas dadas nos primeiros anos de vida da criança, é importante ficar de olho na caderneta de vacinação do seu filho para não esquecer das demais doses e reforços. A partir desta fase, a criança precisa receber novas vacinas e também reforçar aquelas que possuem mais doses.

Cada pessoa da família possui um calendário de vacinação específico, seja o bebê, a criança, o adolescente, o adulto, a gestante e o idoso. Se as doses de reforço caem no esquecimento, os anticorpos das imunizações já tomadas podem diminuir e não atingirem o nível recomendado de proteção para o resto da vida.

Não pode ficar sem!

Uma coisa é fato: seu filho precisa receber diversas vacinas para ficar protegido. Nos calendários de vacinação, os pacientes podem encontrar na rede pública as principais imunizações que garantem eficácia para a população como um todo. Já algumas delas só são encontradas em clínicas privadas.

Para manter o calendário em dia, o PNI oferece gratuitamente as seguintes vacinas: BCG (Bacilo Calmette-Guerin); Hepatite B; Poliomielite 1,2,3 (VIP – inativada); Rotavírus Humano G1P8 (VRH); Pentavalente (DTP+Hib+HB); Pneumocócica 10 valente (Pncc 10); Meningocócica C (conjugada); Poliomielite 1 e 3 (VOP – atenuada); Febre Amarela (atenuada); Hepatite A (HA); Sarampo, Caxumba Rubéola e Varicela (SCRV); Difteria, Tétano, Pertussis (DTP); Varicela; Papilomavírus humano (HPV); Meningocócica ACWY (conjugada); Dupla bacteriana adulto (dT) e Tríplice Viral (SCR).

Com o avanço da ciência, diversos profissionais se dedicaram por anos ao desenvolvimento de vacinas eficazes. Submetidas a testes rigorosos e diferentes fases de ensaios clínicos antes de serem regularizadas, as imunizações têm bom per l de segurança e precisam fazer parte da vida de toda a família. Essa preocupação deve começar aqui e agora, para lá na frente conseguirmos erradicar o maior número possível de doenças, e garantir o bem-estar de todos!