Vacinação: tire todas as dúvidas sobre o preparo das crianças para a volta às aulas

Imunizar a família é um ato de carinho e muita responsabilidade para o bem-estar e saúde de todos. Com a possibilidade do retorno às escolas, é importante preparar o seu filho para o convívio nas creches e escolas, deixando a carteira de vacinação em dia

Resumo da Notícia

  • Vacinação é papo sério, imunizar os filhos é muito importante
  • O Brasil não atingiu nenhuma meta das principais vacinas infantis
  • Fizemos uma live com especialistas para conversar sobre a preparação das crianças para a volta à rotina escolar a conscientização de vaciná-las

Vacinação é papo sério e quem é pai ou mãe sabe da importância da imunização dos filhos. Infelizmente, pela primeira vez no século, o Brasil não atingiu nenhuma das metas das principais vacinas infantis, de acordo com o Programa Nacional de Imunizações (PNI). Atualmente, a cobertura vacinal está em 51%, quando o recomendado pelo Ministério da Saúde é de pelo menos 95%.

-Publicidade-
Em live, falamos com especialistas sobre a importância da vacinação nas crianças (Foto: iStock)

Na terça-feira, 29 de setembro, a Pais&Filhos e a farmacêutica MSD se juntaram para conversar sobre a preparação das crianças para a volta à rotina escolar e a conscientização de vaciná-las. Apesar do número preocupante, ainda dá tempo de revertermos isso juntos e aumentar a cobertura no país. No bate-papo, com apresentação da editora-executiva da Pais&Filhos, Andressa Simonini, filha de Branca Helena e Igor, o pediatra e presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Juarez Cunha, filho de Oswaldo e Geni, a pediatra e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, mãe de Nicole, Philippe, Lucas e Gabriel, e avó de Arthur, a epidemiologista e ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, Carla Dominguez, mãe de Raissa e Gabriela, e a apresentadora de TV, Ticiane Pinheiro, mãe de Rafaella e Manuella, tiraram as principais dúvidas sobre o assunto.

Sobre a vacinação e proteção, Andressa Simonini comenta que imunizar a família não é pensar no seu núcleo familiar, mas sim em uma responsabilidade como um todo na sociedade. Apesar do coronavírus, a doença não está sozinha e por isso é tão importante se preocupar com as outras também. “Só o sarampo já causou mais de 8 mil casos no Brasil. Febre amarela também já foi motivo de doença no Sul do nosso país e pode acontecer em qualquer outro lugar. Temos outras viroses, então, não é só covid-19”, alerta Isabella Ballalai.

-Publicidade-
O Brasil não atingiu as metas de vacinação infantil (Foto: Getty Images)

Apesar da queda da taxa de vacinação já ocorrer há cinco anos, em 2020 temos a explicação pela própria pandemia. “Ela nos colocou em uma situação de que a recomendação era de isolamento, distanciamento, e também porque as pessoas tinham muito medo, e continuam tendo medo de procurar as unidades de saúde e as clínicas de vacinação. Só que isso já estava sendo observado há alguns anos. O Ministério da Saúde já tem alertado sobre as quedas das coberturas vacinais”, explica Juarez Cunha.

Segundo o pediatra, nos anos passados, o principal motivo da queda, comentado por diversos especialistas, além da Organização Mundial da Saúde, Unicef, Ministério da Saúde e Sociedade Científica foi outro: “É a falsa segurança que as pessoas têm em relação às doenças que elas não conhecem e nunca viram”.

Com a possibilidade da volta às aulas, Ticiane Pinheiro contou que as filhas já estão imunizadas: “Sempre me preocupei demais. A Manu tem todas as vacinas, porque daqui a pouco ela vai para a escola e eu sei que lá tem outras doenças e não só o covid-19. A carteirinha dela está super em dia. Já a carteirinha da Rafa também está toda completinha e eu continuo acompanhando”.

Para manter tudo em dia, é essencial ficar de olho e atualizar a caderneta de vacinação do seu filho! “O Programa Nacional de Imunizações está cada vez mais incorporando novas vacinas, então, possivelmente se você levou a criança há três anos, já temos uma nova vacina incorporada como, por exemplo, a da meningite ACWY. Por isso, existe a necessidade de estarmos sempre levando a caderneta de vacinação para ver se há alguma atualização feita no programa, alguma vacina nova ou alguma dose recomendada”, comenta Carla Dominguez.

Após as vacinas dos primeiros anos de vida da criança, é bastante comum que se crie um “buraco” na carteira de imunização por conta do esquecimento dos pais. Vale lembrar que a vacinação a partir desta idade é importante pois seu filho receberá novas vacinas e também doses de reforço. “Esse buraco que fica é comum, porque enquanto bebês levamos no pediatra todos os meses e ele está sempre falando disso. E passando essa fase, a gente esquece. Então, precisamos falar mais, porque tem muita vacina após um ano de idade, tem um calendário para o adolescente, têm reforços, têm calendários para os adultos, idosos, gestantes. Com os atrasos, os anticorpos podem cair e você não atinge um nível em que está protegido para o resto da vida”, conclui a pediatra.

Assista à live completa:

Vacinação: preparando as crianças para a volta à rotina escolar

Bate-papo com Ticiane Pinheiro, Dra. Isabella Ballalai, Dr. Juarez Cunha e Dra. Carla Dominguez, sobre a importância de manter a caderneta de vacinação atualizada. Vamos tirar as principais dúvidas sobre o assunto para que você possa vacinar seu filho com segurança e confiança!

Posted by Revista Pais&Filhos on Tuesday, September 29, 2020

-Publicidade-