Vídeo: Ciclista que atropelou menina processa pai da criança por exposição na Internet

Patrick Mpasa filmou o incidente que aconteceu há um ano atrás, na Bélgica

Resumo da Notícia

  • O pai de Neia gravou o momento em que um ciclista acaba empurrado sua filha
  • O homem não voltou para socorre-la
  • Um ano após o caso, o ciclista levou o caso para justiça afirmando que o pai o gravou sem autorização

Um ciclista que se tornou viral por atropelar uma menina há um ano atrás voltou a recorrer na justiça alegando difamação por parte do pai da criança, Patrick Mpasa, que filmou e publicou o vídeo na Internet.

-Publicidade-

Foi durante um passeio na Bélgica no ano passado que um ciclista anônimo, de 62 anos de idade, acabou derrubando a filha de Patrick, Neia, e não voltou para resgatá-la. No vídeo, o pai indignado tenta chamar o infrator para se desculpar, porém o homem continua pedalando.

A família decidiu levar o caso para tribunal no dia 3 de fevereiro. “Quando estava andando perto da garota, senti minha roda traseira escorregar. Para evitar uma queda, equilibrei-me com um movimento do joelho. Eu senti que poderia ter batido na garota, mas não percebi imediatamente que ela havia sido derrubada.”, afirmou o acusado.

Registro do ciclista empurrando a criança
Registro do ciclista empurrando a criança (Foto: Reprodução The Sun)

Na época, o homem não foi multado, mas precisou pagar à família da Neia com € 1 –  equivalente a R$6,25 – de indemnização.O vídeo foi amplamente compartilhado nas redes sociais e gerou indignação por parte dos internautas, os quais culparam o ciclista por derrubar a garota de 5 anos de idade.

Agora, em 2021, o homem revelou para o portal de notícias belga HBVL, que decidiu levar Patrick ao tribunal, por filma-lo sem autorização. “Temos o direito de postar ou ter postado um vídeo na internet. Nesse caso, devemos verificar se ultrapassamos os limites dessa liberdade de expressão”, afirmou Jacques Englebert, advogado de Mpasa,

As duas partes devem se encontrar pela primeira vez em 18 de novembro e o julgamento está previsto para ocorrer no primeiro semestre de 2022.