Vídeo: Mãe leva corpo sem vida do próprio filho no colo até hospital em Marajó

O adolescente não resistiu no meio do caminho e acabou falecendo, a mãe não quis esperar pelo serviço funerário

Resumo da Notícia

  • Uma mãe carregou o corpo morto do próprio filho até o hospital
  • As cenas mostram a mulher em uma moto carregando o adolescente
  • O menino morreu afogado após cair em um criadouro de peixes

Uma mãe precisou levar o corpo do próprio filho, que estava morto, no colo em uma moto até o hospital em Melgaço ,no arquipélago do Marajó, no Pará. O adolescente morreu afogado, após cair em um criadouro de peixes desativado, que são comuns na região.

-Publicidade-

Ele chegou a ser levado ao hospital municipal, mas morreu a caminho da unidade de saúde na última segunda-feira (21). Nas imagens, a mãe aparece sentada na moto, junto a um motorista, ao sair do hospital. Várias pessoas ajudam a posicionar o corpo no colo dela, até que a moto sai em direção à casa

A direção do hospital informou que Melgaço não tem funerária, então quando alguém morre no hospital, funerárias de outras cidades vão até o município para prestar serviços fúnebres, antes da liberação do corpo às famílias. Mas segundo o hospital, após a perda, a família decidiu não esperar pelo serviço e levar o corpo para casa, de moto. Para conferir o vídeo clique aqui! 

A mãe levou o corpo do filho morto no colo até o hospital
A mãe levou o corpo do filho morto no colo até o hospital (Foto: Reprodução/G1)

Moradores se revoltaram porque a ambulância não levou o menino para o hospital. O diretor do hospital, Elizeu Souza, disse que a ambulância que aparece no vídeo não pode ser usada para transportar pessoas mortas, já que veículos de atendimento médico só podem ser usados para socorro de pacientes.

Em nota, o Hospital Municipal de Melgaço disse que se solidariza com amigos e familiares do adolescente que “teve sua vida interrompida de forma trágica e inesperada”. “Nossos sinceros sentimentos”, disse a nota. Ainda de acordo com a nota, “todos os procedimentos técnicos de enfermagem foram rigorosamente aplicados”.

“Repudiamos qualquer tentativa de manchar a imagem pessoal e profissional de nossos colaboradores desta unidade hospitalar, que se dedicam dia e noite para melhor servir nossa comunidade (…) independente de credo, raça, religião”, conclui a nota.