Família

“Vivemos dia a dia os desafios e alegrias que é gerar, desenvolver e evoluir uma nova vida”, relata Viviane Pio

Viviane conta como ela e o marido, Bruno, tentam, com erros e acertos diários, ser os melhores pais para Felipe

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

No projeto “Lá em Casa é Assim”, parceria da revista Pais&Filhos com a Natura Mamãe e Bebê, estamos conhecendo famílias de todo o Brasil. A Viviane Piovarcsik contou para a gente a história de sua linda família. Vem ver!

“Tenho 42 anos, sou casada com o Bruno há quase 11 anos e há 5 somos os pais do Felipe. O grande amor de nossas vidas!

Eu e o Bruno nos conhecemos em um ensaio pré-carnaval da escola de samba Rosas de Ouro. Começamos a namorar pouco tempo depois e em 6 meses já morávamos juntos, tínhamos 31 anos na época. Na época, não pensávamos em aumentar a família, o plano era curtir, viajar, aproveitar a vida. E fizemos tudo isso!

Quando fiz 36 anos, começamos a falar sobre o assunto filhos. Já tínhamos cachorro, plantas e todos viviam muito bem! Brincadeiras à parte, sentimos que estávamos preparados para a próxima etapa. Depois de mais de 1 ano de tentativas e frustrações, engravidamos e a expectativa era tão grande que, com 8 semanas, fiz sexagem fetal e descobrimos que esperávamos o Felipe.

A gestação foi quase tranquila: o bebê não ganhava peso e tive que ter acompanhamento nutricional com uma dieta hiperproteica, mas no final tudo deu certo. Felipe nasceu com 39 semanas, pesando 2,8kg e com 48 cm.

Estávamos super ansiosos para conhecer nosso bebê – nós e toda torcida do Corinthians! Acho que toda criança de um casal inter-racial aumenta a curiosidade como será que vai nascer? O Felipe saiu uma misturinha linda, moreno-dourado com uma luz própria e uma energia maravilhosa!

Nossa rotina durante a semana é bem maluca e corrida: o Felipe fica na escola o dia todo e faz natação e aula de tênis depois da escola, contamos com ajuda dos avós e de uma colaboradora que nos ajuda em casa. Eu e o Bruno só chegamos em casa perto das 20h, aí brincamos um pouco ou lemos um livro e já é hora de dormir.

Aos finais de semana, a rotina é toda do Felipe! Cinema, parque e passeios, aproveitamos ao máximo o tempo com nosso pequeno. Tentamos ser os melhores pais, com erros e acertos diários, vivemos dia a dia os desafios e alegrias que é gerar, desenvolver e evoluir uma nova vida. Embarcamos com tudo nessa viagem sem volta e estamos amando!”

Leia também:

“Lá em casa é assim: um por todos e todos por um!”, conta Paloma Santos

Ter um filho com síndrome de Down: o amor é muito maior que o susto

Desabafo: “Se por um lado não sofri violência obstétrica, por outro sofri a violência emocional”