Vizinhos enchem bairro de Papais Noéis negros em apoio a família vítima de racismo

Uma família do Arkansas, nos Estados Unidos recebeu carta anônima e racista após decorar a casa para o Natal com Papai Noel negro

Resumo da Notícia

  • Uma família do Arkansas, nos Estados Unidos, decorou a casa para o Natal e colocou um Papai Noel negro na frente da casa
  • Mas o que eles menos esperavam era uma mensagem anônima e racista atacando a figura
  • Para apoiar a família a vizinhança se reuniu e para encher o bairro de Papais Noéis negros

Uma família do Arkansas, nos Estados Unidos, decorou a casa para o Natal e colocou um Papai Noel negro na frente da casa. Mas o que eles menos esperavam era uma mensagem anônima e racista atacando a figura de mais de 2 metros que estava no gramado.

-Publicidade-

Para apoiar a família a vizinhança se reuniu e para encher o bairro de Papais Noéis negros. Segundo o G1, tudo começou em setembro quando Chris Kennedy e sua filha Emily, de 4 anos, colocaram a tradicional decoração de Natal da família na frente da casa, com luzes brancas cintilantes, uma árvore de Natal inflável e um papai noel negro alto no gramado, ao lado de uma placa colorida e iluminada.

Kennedy afirmou que a decoração sempre foi bem aceita no bairro e essa foi a primeira vez que a família sofreu preconceito sobre isso. A carta anônima deixada no correio da família dizia que a figura natalina era um homem branco e que fazer as crianças acreditarem que ele é negro não passa de uma ‘mentira’. O bilhete ainda sugeria que Kennedy se mudasse de bairro.

-Publicidade-
A vizinhança apoiou a família depois do ataque racista (Foto: Reprodução/ Facebook/ Chris Kennedy)

Kennedy utilizou as redes sociais para mostrar  indignação sobre o ocorrido e compartilhar com os vizinhos o que tinha acabado de acontecer. A família procurou a delegacia de polícia mais próxima e registrou uma ocorrência por crime de assédio.

Em solidariedade, os vizinhos passaram a mudar as decorações de natal para incluir um Papai Noel negro como figura principal. Gradualmente, o boneco inflável começou a pipocar nos gramados do bairro.