Família

Você está preparada para ter um filho?

Existe uma data de validade biológica para engravidar, mesmo que varie de pessoa para pessoa

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

adult-and-child-hands-holding-paper-house-family-home-and-real-estate-picture-id823095136

(Foto: iStock)

*Tradução por Ana Beatriz Gonçalves, filha de Carla e Virgílio

Hannah Werthan é escritora da Parents e compartilhou um alerta que acha importante para todas as mulheres. Leia na íntegra:

“É raro encontrarmos em uma revista como a Vogue matérias que abordam assuntos como maternidade. Mas quando li o artigo “Adiando a maternidade: quando pode se tornar tarde demais?” da Tanya Selvaratnam para a revista, fiquei intrigada. Em sua matéria, ela comenta que muitas mulheres da sua geração esperaram muito tempo para ter filhos e acabaram perdendo a experiência da maternidade, que tanto queriam.

É um assunto delicado para a época. Vivemos em uma sociedade muito diferente do que as nossas mães e avós viveram. Basta ir na edição de fevereiro de 2014 da Marie Claire que você encontrará um manual de como ser uma mulher independente e feliz. Com boas dicas para viajar sozinha e viver bem consigo mesma, essa edição da revista revela a nova cultura da contemporaneidade. Estamos tirando tempo para nós mesmas, portanto demoramos mais para nos estabilizar na vida amorosa. Em 1960, por exemplo, a idade média de uma mulher se casar era 20 anos, hoje em dia esse número mudou para 27 anos.

Mesmo que o casamento possa ter sido adiado por quanto tempo quisermos, as crianças não podem ser adiadas por muito tempo (se você as quiser!). Nosso relógio biológico ainda existe. Entre todas as grandes discussões debatidas na Marie Claire sobre os benefícios de não ser comprometida aos 20 anos, a revista reconhece que, com 27, a nossa fertilidade já começa a diminuir expressivamente. Segundo pesquisas biológicas, a melhor idade para ter um bebê é aos 20 anos de idade. De acordo com um estudo do CDC de 2009, aos 40 anos, nossas chances de gerar uma criança são 18,7%; e aos 44 anos, isso diminui para 2,9%.

A mensagem por trás dessas estatísticas não é fácil de ignorar. “Não estamos condicionadas a sentir a urgência da fertilidade”, escreve Selvaratnam para a Vogue. Este foi o caso de Hilary Grove, de 37 anos, que achava que não era “grande coisa” esperar para ter filhos, mas agora precisa se esforçar para engravidar.