Voluntária de orfanato adota menina liberiana ao saber que ela tem câncer

Elena Delhagen passou 5 anos fazendo trabalho voluntário na África e conheceu Jumah, de 2 anos. Mais de 10 anos depois, a americana resolveu ajudar a criança que estava ficando cega

Resumo da Notícia

  • Elena Delhagen fazia trabalho voluntário na Libéria quando conheceu Jumah, de 2 anos
  • A americana de 26 passou 5 anos no país ajudando em orfanatos locais
  • Elena adotou Jumah após a menina receber o diagnóstico de câncer

Elena Delhagen fazia trabalho voluntário na Libéria quando conheceu Jumah, de 2 anos. A americana de 26 passou 5 anos no país ajudando em orfanatos locais e logo se tornou amiga da criança. Depois de voltar ao Estados Unidos e ter o seu primeiro filho, a mãe recebeu uma notícia devastadora: Jumah estava com um tipo de câncer que não tinha tratamento em nenhum país da África. Foi quando resolveu que era hora de ajudar.

-Publicidade-
Os irmãs se conheceram recentemente (Foto: Arquivo pessoal)

“Jumah era pequena, com tranças apertadas e olhos grandes. Fiquei instantaneamente apaixonada Eu não poderia ter sabido então, mas esse foi o início de uma história, nossa história”, conta a ex-voluntária para o portal Love What Matters. Em 2017, enquanto tomava café da manhã e olhava o celular, Elena soube do câncer no olho que atingia a menina. “Ela começou a perder a visão do olho esquerdo e todos os médicos que ela consultou na Libéria disseram que a cirurgia lá era impossível. Havia poucos recursos e muitos riscos. O diretor do orfanato rastreou sua família biológica, mas eles não estavam interessados ​​na reunificação”, relata.

O diretor do orfanato sabia da afeição entre as duas e mandou a história com a esperança de que a americana ajudasse. No mesmo dia, Elena e o marido deram entrada na adoção. “No início, tudo aconteceu muito rápido, e fiquei animado com todo o progresso que fizemos em tão pouco tempo. Cerca de seis meses depois, recebi um telefonema com Jumah. Ela se lembrava de mim, e eu quase podia ouvir seu sorriso através da linha telefônica”, diz.

-Publicidade-
A família finalmente está completa (Foto: Arquivo pessoal)

Jumah tinha 12 anos na época e a adoção demorou 2 anos para ser liberada. “Ela sabia que não podia ver e tinha ido a muitos médicos, mas ninguém pôde ajudar. Perguntei se ela sabia o que significava adoção. Ela não disse. Eu expliquei da melhor maneira que eu sabia, falei sobre como queríamos ser sua família”, conta a mãe. Depois da difícil espera, a liberiana finalmente chegou na casa dos Delhagen.

“A adoção é linda, mas também é muito difícil. Crianças adotadas sentem muitas emoções fortes e pode ser difícil para elas se comunicarem ou transmiti-las de maneira saudável”, explica a ex-voluntária. E continua: “Mas vale a pena? Mil por cento. Minha vida e nossa família não estavam completas até Jumah voltar para casa”.

-Publicidade-