‘Vovó do Uber’ compartilha sua rotina como motorista aos 73 anos: “Eu passeio”

Maria conta que vê o trabalho como um passeio e se diverte ao longo das viagens

Resumo da Notícia

  • Conhecida como vovó do Uber, mulher de 73 anos trabalha oito horas por dia como motorista
  • Ela conta que se diverte e está passeando
  • Maria deu relato sobre o dia em que levou um paciente com covid-19

Com 73 anos, Maria Albina Oliveira, é motorista do aplicativo de viagens Uber e está há três anos trabalhando para a empresa. Além de compartilhar que se diverte, Maria confirma que é a profissão certa para ela e que não é um trabalho, mas um passeio.

-Publicidade-

Conhecida como ‘vovó do Uber’, Maria que conta de dirige desde seus 20 anos, mas só em 2018 ela entrou para o time de motoristas do Uber. Ela já realizou mais de 14 mil viagens, e faz por dia, uma média de 22 a 25 corridas. A jornada de trabalho de Maria é de 8 horas por dia, mas em entrevista para o G1, ela conta que não trabalha de noite, por questão de bem-estar. “Não é o dinheiro que me prende. Quando começa a escurecer, eu paro, pois se eu ficar muito tempo dirigindo à noite, começa a me dar ansiedade. Gosto de dirigir durante o dia”, comenta.

Motorista de Uber com 73 anos trabalha oito horas por dia
Motorista de Uber com 73 anos trabalha oito horas por dia (FOTO: Reprodução / Matheus Tagé / A Tribuna)

A motorista também conta que já trabalhou como costureira anteriormente, mas quando entrou para o aplicativo, viu que era a profissão perfeita para ela. “Adoro ir para lá e para cá, ir e voltar com passageiro. Quando eles perguntam por que estou trabalhando com essa idade, falo que estou passeando. A primeira coisa que perguntam é a idade, mas, para mim, fazer corrida é uma terapia”, conta Maria.

Durante a pandemia, ela precisou ficar em casa entres os meses março e julho, por insistência dos filhos, já que ela faz parte do grupo de risco, mas pouco tempo depois voltou com o trabalho. Além de utilizar máscaras e álcool em gel, Maria contou que utiliza uma mistura de álcool 70% e amaciante para desinfetar o carro. Além desses detalhes, ela também compartilhou uma situação assustadora, sobre quando levou um paciente com covid-19: “Já entrou gente no meu carro com covid-19. O rapaz entrou e falou para levar ele ao hospital, que estavam o chamando porque o resultado deu positivo. Quando ele saiu do carro, gastei quase que o vidro todo para desinfetar”, afirma a motorista.