Gravidez

7 palavras que você nunca deveria dizer a uma mulher grávida

Todos deveriam ter consciência disso

Gabrielle Molento

Gabrielle Molento ,Filha de Claudia e Pedro

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Quando você engravida tudo muda. O corpo se transforma para o crescimento do bebê, os hormônios ficam à flor da pele e criam um impacto profundo nas suas emoções, os relacionamentos… Cada mulher passa por esse momento de uma forma e tem um jeito de lidar. A Erin Riley contou ao site Popsugar um pouco sobre sua experiência com a maternidade – tanto antes quanto depois de ter um filho – e você pode se identificar muito. Olha só:

“Minha gravidez não foi nada tranquila. Fui diagnosticada com hiperêmese gravídica, um tipo forte de náusea e vômito durante a gestação. Eu passei a maior parte dos meus nove meses vomitando regularmente. Eu estava com fome, fraca e não conseguia dormir mais de uma hora por vez. Eu não podia esperar para ela acabar.

Ainda assim, quando eu contava sobre o quando estava sofrendo com a gravidez, tanto nas redes sociais quando pessoalmente, eu frequentemente ouvia alguém dizer a mesma coisa, 7 palavras que eu mais odiei escutar na vida: “Você vai ver quando esse bebê nascer”. Mesmo que elas falassem gentilmente, eles jogavam isso em mim como uma ameaça, me avisando que o pior ainda estava por vir, me dizendo para me proteger para a intrusão desse bebê em minha vida e o terror que viria a seguir.

Foi aí que eu dei a luz à minha filha e você sabe? Não foi pior. Na maior parte das vezes, foi mais fácil.

Claro, tivemos momentos bem difíceis (como os dois meses que ela se recusou a dormir mais de uma hora por vez, fosse dia ou noite). Mas diferente da época da minha gravidez, eu podia dividir essas dificuldades. Eu podia dar a bebê para meu parceiro ou minha mãe ou minha sogra ou qualquer um dos amigos ou família que se ofereciam para ajudar e enquanto isso tirava uma soneca ou tomava banho tranquilamente.

Porque para aqueles que são sortudos como eu e tem parentes solidários, ser pai não é algo que você tem que fazer sozinho. Nós não podemos que ser quem vai trocar todas as fraldas ou assistir nossos filhos todas as vezes que eles dormem. Nós podemos dividir esse trabalho.

Gravidez, no entanto? A mais vasta maioridade dos problemas você tem que lidar sozinha. Você não consegue ter um intervalo de 10 minutos da gravidez. Você não pode se desligar durante a tarde. Você não consegue tirar aquela barriga pesada por uma hora e deixar alguém segurar para você. Quando você está enjoada no chão do banheiro, não tem ninguém para ficar enjoado com você. Eu acho a gravidez um momento unicamente sozinho. Apesar de eu ter dividido a jornada com meu parceiro, tinham muitas coisas que ele não conseguia entender.

Na minha experiência, as coisas ruins em ser pai são muito menores do que durante a gravidez. Certamente não é fácil, mas mesmo quando você está limpando vômito quando seu filho está doente tem aquele momento que seu filho segura seus braços, olha nos seus olhos e diz “mamãe”. As delícias são frequentes e nos sustentam. Esse meu relato não é para diminuir a realidade da depressão pós-parto e as diferentes experiências de cada mãe, as os primeiros meses do seu filho com certeza não serão universalmente piores do que a gravidez.

Quando minha filha fica de conchinha comigo enquanto lemos seu livro favorito pela centésima vez, enquanto ela faz caras engraçadas a casa página – com raiva, com medo, feliz – eu às vezes repenso aquelas 7 palavras que me diziam enquanto estava grávida e desejo que as pessoas soubessem o resto da frase. “Você vai ver quando esse bebe nascer… só vai melhorar”.

Para mim, gravidez era algo que eu precisava aguentar. Mas ser mãe? É um tesouro.”

Leia mais:

Relato de mãe: minha vida sexual era incrível enquanto eu estava grávida!

Relato de mãe: “Meus dois filhos foram diagnosticados autistas”

Relato de mãe: “Eu não tinha ideia de que me sentiria assim no pós-parto”