Gravidez

Aos 50 anos mulher da à luz quadrigêmeos

Tracey Britten já é mãe de três adultos e avô de oito crianças!

Marina Paschoal

Marina Paschoal ,Filha de Selma e Antônio Jorge

Foto: Reprodução / The Sun

Foto: Reprodução / The Sun

Tracey Britten – guarde bem esse nome. A britânica entrou para a história da Inglaterra por ser a mulher mais velha a dar à luz quadrigêmeos no país. Aos 50 anos, ela já era mãe de três adultos e avó de oito crianças com idades entre sete meses e 11 anos, mas precisava de algo mais. Por conta da sua vontade de ter mais um filho, Tracey recorreu à fertilização in vitro, que resultou em três meninas e um menino.

Seu médico disse que por conta do seu corpo e biotipo similares aos de uma mulher de 30 anos, seria possível realizar o procedimento. “Eu só queria um filho e fui abençoada com quatro. É um milagre. Eu não me toquei que fizemos história. Me falavam que eu simplesmente não seria capaz por conta da minha idade. Foi minha força interior que fez acontecer. Eu estava determinada”, ela disse em entrevista ao jornal britânico The Sun. Para aumentar as chances de a fertilização dar certo, foram implantados quatro embriões – desses, três se desenvolveram e um se dividiu, formando gêmeas idênticas.

Foto: Reprodução / The Sun

Foto: Reprodução / The Sun

No período inicial da gravidez, ela foi aconselhada a escolher entre os bebês. Ou seja, a fazer um aborto seletivo de dois bebês, para que os outros pudessem ter mais chances de se desenvolver, mas ela se recusou. A britânica também recebeu julgamentos por conta da sua idade e rebateu: “Ninguém criticou Mick Jagger ou Elton John quando eles decidiram ser pais nos seus 60 ou 70 anos, então por que estão me atacando por ter 50?”.

Foto: Reprodução / The Sun

Foto: Reprodução / The Sun

A gestação de Tracey foi tranquila até a 31ª semana, quando um dos exames de rotina identificou que um dos bebês estava com complicações para se desenvolver, o que poderia prejudicar os outros três também. Como medida de segurança, ela foi submetida à uma cesárea. “Haviam 35 funcionários do hospital na sala de parto. Eu não posso agradecê-los o suficiente. Eles me deram muito amor e cuidado”, comentou. Os bebês, que ainda não têm nomes, precisaram ficar na UTI neonatal, mas estão crescendo bem e ela tem esperança de levá-los para casa ainda antes do Natal. “Estou muito grata. Não vejo a hora de levá-los para casa”, disse.