Gravidez

Após perder sete bebês, jovem realiza o sonho da maternidade: “A vontade foi maior que o medo”

Na primeira gravidez, Carla Oliveira estava grávida de gêmeos e na segunda, de quíntuplos


Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

Carla deu à luz Lavínia, após perder sete bebês (Foto: Arquivo pessoal)

O sonho da maternidade foi o combustível para Carla Divina Faria de Oliveira. A técnica de enfermagem, de 24 anos, se tornou mãe de Lavínia após passar por um tratamento especializado em Nerópolis, em Goiânia, e provou que não é fácil recomeçar, mas também não é impossível.

Depois de perder sete filhos de gestações múltiplas naturais, ela encontrou forças e esperança em uma nova gravidez e poder, enfim, viver a maternidade. Na primeira perda, em 2016, ela estava grávida de gêmeos. Na segunda, no ano seguinte, de quíntuplos.

Carla é portadora da Incompetência Istmo Cervical (IIC), uma condição que causa dilatação anormal do colo uterino na metade da gravidez e faz com que o útero não suporte o peso da gravidez.

Para realizar o sonho da nova gravidez, Carla passou pela cerclagem de shiródka, cirurgia indicada para mulheres que já perderam filhos. “Fui atrás de um procedimento que me desse mais confiança, porque tinha até pensado em desistir. Mas minha vontade de ser mãe foi maior que o medo”, conta Carla, em entrevista à Pais&Filhos: 

“Minha primeira gestação foi de gêmeos, uma gravidez saudável e supertranquila. De repente, com 22 semanas de gestação, comecei a ter contrações e fui para o hospital. Quando cheguei lá, meus filhos já estavam nascendo. Foi tudo muito rápido e não deu tempo de fazer nada. Pela prematuridade, eles não sobreviveram e o médico disse que em uma próxima gestação eu teria que fazer uma cerclagem, pois sou portadora de insuficiência istmo cervical, em que o colo do útero não suporta o peso do bebê e se abre antes do tempo.

(Foto: Divulgação/Grão de Gente)

Depois de um ano da minha perda, eu engravidei novamente. E para minha surpresa, quando fui fazer o ultrassom, descobri que eram cinco bebês. Sim, quíntuplos! Fiquei muito feliz, mas também com medo porque era uma gravidez de risco. Então, fiz essa cerclagem simples e precisei ficar de repouso. Com 23 semanas de gestação, tive que ser internada e minha bolsa rompeu novamente. Foi quando meu mundo desabou e eu perdi meus bebês. Fiquei arrasada.

Tinha até pensado em desistir

Depois dessas duas perdas dolorosas, eu fui atrás de um procedimento que me desse mais confiança, porque eu tinha até pensado em desistir. Mas a minha vontade de ser mãe foi maior que o medo. Após 6 meses da minha última perda, eu encontrei um ‘anjo’ ginecologista que faria uma cerclagem definitiva — o que garantia o sucesso da gestação. ‘Que alegria, desta vez vai’, pensei.

(Foto: Divulgação/Grão de Gente)

Corri atrás para fazer todos os exames pré-operatórios para fazer a cerclagem definitiva. Graças a Deus, tudo ocorreu bem e depois de 3 meses, engravidei e tive uma gestação supertranquila. O obstetra que fez minha cerclagem acompanhou toda minha gestação, passou toda a confiança que eu precisava e me deixou bem tranquila. Confesso que tive medo, chorei e fiquei um pouco insegura, mas é aceitável, considerando tudo que eu passei.

Fui confiante e persistente. Então, finalmente dei à luz minha filha. Lavínia nasceu supersaudável, com 38 semanas. Hoje, quando olho para ela, nem acredito na tamanha felicidade. A maternidade é a melhor coisa que pode acontecer na vida de uma mulher”.

Fui confiante e persistente

Com Lavínia nos braços, Carla deixou os tempos difíceis no passado e comemora a nova fase como mãe. “Feliz é pouco para descrever o que sinto. Ser mãe é um sonho realizado. Nós nunca devemos perder a esperança porque tudo acontece no momento certo. Me sinto realizada”.

(Foto: Divulgação/Grão de Gente)

E a felicidade da família só aumentou. Neste mês, Carla e Lavínia foram presenteadas pela loja online de enxoval e decoração Grão de Gente com um quarto de bebê completo. “Desde a minha primeira gestação, eu ficava imaginando como seria o quartinho dos meus bebês. É gratificante ver tudo pronto hoje, do jeito que eu sonhei”, conta Carla, emocionada.

Leia também: 

Após enfrentar luto da filha, casal transforma dor em felicidade com nova gravidez

Mãe faz relato emocionante sobre parto normal da filha, depois de passar por cesárea

Menino de 11 anos faz relato sobre câncer da mãe e texto emociona: “Vivemos um dia de cada vez”