Gravidez

Após um aborto, quanto tempo você deve esperar para tentar engravidar?

As recomendações médicas mudam de acordo com o tempo de gestação

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

As recomendações mudam de acordo com o tempo de gestação (Foto: Getty Images)

As recomendações mudam de acordo com o tempo de gestação (Foto: Getty Images)

Uma gravidez esperada sempre gera muitas expectativas e felicidade. Mas quando ela não evolui como desejado e a mulher sofre um aborto, pode ocasionar sofrimento, insegurança e até culpa.  Uma pesquisa realizada em 2015 comprovou que entre três mulheres que sofreram o aborto espontâneo, duas não conseguem contar nem para suas melhores amigas sobre o ocorrido. A perda de um bebê pode ser traumatizante, isoladora e difícil de esquecer.

As mulheres tradicionalmente mantêm o segredo da gravidez até os três meses e escondem sua dor se abortarem a qualquer momento ao longo do caminho  – e a ausência de apoio de famílias e amigos nessa situação pode até mesmo fazer com que a mãe tenha depressão. De acordo com um estudo publicado no Obstetric and Gynecology, 41% dos casais que viveram um aborto espontâneo sentiram que eles haviam feito algo de errado. Mas na realidade, os abortos são quase sempre causados por fatores que estão fora do controle da mãe – como anormalidades genéticas no embrião.

aborto espontâneo acontece mais frequentemente no primeiro trimestre da gestação, até 12 semanas, na maioria das vezes devido a alterações no próprio embrião. Caso você tenha sofrido esse tipo de aborto e a vontade de ser mãe ainda prevalecer, não precisa passar por nenhuma investigação ou tratamento médico antes de tentar uma nova gravidez.

Já no caso do aborto tardio, ou seja a partir da 20ª semana, é importante saber e investigar os motivos que fizeram a mulher perder o bebê. “Em geral, tem a ver com o colo do útero. O médico deve investigar as características do colo uterino.  No caso de colo curto existe grande possibilidade de intervenção, um reforço para que a mulher consiga levar a gestação o mais próximo possível do termo. Portanto, quando falamos de uma uma mulher que tem história de aborto tardio, indicamos essa investigação para que não aconteça outro desfecho desfavorável novamente e ainda mais precoce que o anterior,” explica Alberto Guimarães, ginecologista e obstetra na Clínica Parto Sem Medo, pai de Beatriz e João Victor.

gravidez-aborto

A chance de perder outro bebê se você já teve um aborto espontâneo não é maior. No entanto, depois de duas ocorrências a chance pode aumentar para 20% e depois de três para 30%. Mas tenha em mente que mesmo que você tenha tido três abortos, ainda há 70% de chance de conseguir ter o bebê.

“Normalmente, a recuperação física da mulher demora apenas alguns dias, aproximadamente de quatro a seis semanas, ela estará em boas condições clínicas novamente”, explica o especialista. Para que a mulher volte a tentar uma nova gravidez, é preciso observar se o aborto foi precoce, se passou por uma curetagem ou se o próprio organismo eliminou por completo o saco gestacional e os restos ovulares. Assim, você não precisa esperar muito tempo para engravidar, já que praticamente não houve crescimento uterino. “Neste caso, indica-se ácido fólico e atividade sexual, e a mulher já será candidata a engravidar novamente” relata.

Já nos casos de aborto tardio, após a eliminação do feto, é importante que a mulher passe por uma avaliação médica antes de tentar uma nova gravidez. “Convém esperar de dois a três meses para que o útero volte ao seu tamanho normal e se conclua a avaliação do útero, “ finaliza o especialista.

Esperando um rainbow baby

Quando uma mulher que já teve um aborto espontâneo fica grávida de novo, a ansiedade pode ser esmagadora. Mesmo que você tenha perdido o bebê cedo, qualquer pequena coisa pode causar preocupação. Muitas mães realmente não conseguem ficar calmas enquanto não estão com o bebê em seus braços. A gente sabe que sofrer um aborto espontâneo deve ser uma dor horrível, mas não se culpe e acredite que no final fica tudo bem.

Leia também:

Aborto espontâneo: a culpa não é sua!

Conheça 4 mitos sobre aborto espontâneo

Risco de perder o bebê cai drasticamente depois que o coração bate