Barriga de aluguel é obrigada a cuidar de bebê por 4 meses por causa da pandemia

Emily Chrislip, de 25 anos, não conseguiu entregar a menina aos pais que moram na China depois que as fronteiras entre os dois países foram fechadas

Resumo da Notícia

  • Uma barriga de aluguel nos Estados Unidos está cuidando do bebê que deu à a luz há 4 meses por conta da pandemia do novo coronavírus
  • Emily Chrislip, de 25 anos, não conseguiu entregar a menina aos pais, que moram na China
  • Ela e o marido, Brandon, já são pais de um filho, Camden
 

Uma barriga de aluguel nos Estados Unidos está cuidando do bebê que deu à a luz há 4 meses por conta da pandemia do novo coronavírus. Emily Chrislip, de 25 anos, não conseguiu entregar a menina aos pais, que moram na China, por conta da restrição das viagens internacionais. Ela e o marido, Brandon, já são pais de um filho, Camden, e estão tendo que cuidar da filha “postiça” enquanto a situação se normaliza.

-Publicidade-
A família está cuidando da bebê (Foto: Getty Images)

Após o nascimento da bebê no meio da quarentena, a família soube que o processo seria um pouco mais demorado que o normal, mas não sabia quanto. “No início, pensamos que seriam no máximo quatro semanas, mas depois foi ficando cada vez mais longo”, disse ela, em entrevista à People. “Mas não faríamos de outra forma. Ela é tão amada e, neste momento, somos sua família”, completou.

O casal chinês escolheu Emily em fevereiro de 2019, mas a concepção só aconteceu em setembro. “O plano inicial era que seus pais estivessem aqui para o parto. Eles ficariam na sala de parto para vê-la nascer e, então, eles teriam seu próprio quarto no hospital com ela, e meu marido e eu teríamos nosso próprio quarto. Na hora do nascimento, meu trabalho deveria ser concluído”, conta.

-Publicidade-
Emily deu à luz em maio (Foto: Reprodução / People)

Mas não foi o que aconteceu na prática. Como resultado da pandemia, os pais foram impedidos de ir aos Estados Unidos para conhecer seu bebê. O parto aconteceu em 18 de maio deste ano e, embora os Chrislips tivessem a opção de deixar o bebê com uma agência de babás, eles decidiram cuidar pessoalmente dela, a pedido dos pais biológicos. “Quando eles perguntaram, não fiquei muito surpresa. Brandon e eu conversamos muito sobre isso e também com nossa família. Eu não hesitei, mas Brandon não estava confortável no início. Mas decidimos, então, que a coisa certa a fazer era cuidarmos de dela”, afirma.

O bebê já está com o casal há quatro meses e conta que o apego emocional está se tornando um desafio que eles não necessariamente estão evitando. “Acho que foi mais fácil para mim do que para Brandon. Ele adora bebês e crianças e é um grande fofo. Eu tento manter algumas das minhas barreiras, mas não sei sobre Brandon. Nós, definitivamente, a amamos e sempre iremos cuidar dela, mas entendemos que ela não é nossa. Apenas a tratamos como se fosse nossa porque, nesta fase da vida, é muito importante ter a devida atenção e amor”, completou.

Enquanto os Chrislips esperam a chegada dos pais do bebê – data que ainda é desconhecida, pois a documentação ainda está pendente – ela diz: “Vamos continuar fazendo o que estamos fazendo no dia a dia e cuidar dela até que seus pais possam chegar aqui. Mas aprendi a aceitar que o que será, será, e apenas viver o momento, um dia de cada vez”, finalizou.

-Publicidade-