Como anunciar a chegada de um irmãozinho

Dar essa notícia pode não ser fácil, mas existem alguns macetes que podem ajudar a lidar com o momento

como anunciar a chegada de um irmãozinho

-Publicidade-

No começo ele era o dono do pedaço. O quarto, a atenção da família, o amor, os brinquedos e a festinha de aniversário tinham o único dono. Mas, agora, vocês chegam para ele e dizem que vai ter de dividir o sofá de casa, o cafuné, o suco… E ainda querem que ele fique feliz? Calma, aí. Nem sempre contar para o primogênito que ele vai ter um irmão é fácil. “A criança pode se sentir traída e achar que perdeu lugar dentro de casa. Por isso os pais precisam ter cautela no momento de dar a notícia”, explica a psicóloga Cristiane Francisco Alves Lorga, mãe de Luiza, e especialista sobre intervenção familiar, do Instituto Terapia Sistêmica (ITS).

De acordo com ela, existem alguns macetes que os pais podem colocar em prática na hora de contar a novidade para a criança. Uma boa hora é durante as refeições. Isso porque esses horários possuem uma simbologia muito forte para as crianças, pois representam um dos momentos em que elas estão sendo cuidadas pelos pais. “O importante é falar com cuidado, observar a reação do filho e ter consciência de que  vão precisar falar desse assunto algumas vezes”, alerta.

-Publicidade-

Essa semana, rolou na internet um vídeo de uma menina que, ao ouvir do pai que ganharia um irmão, disse: “soltei um pum”. Assim mesmo, sem cerimônia. O pai morre de rir e a gente, assistindo ao vídeo, também. Mas é um exemplo de que o recado sobre a chegada do irmãozinho ainda não foi dado e de que outras conversas, talvez de outras formas, serão necessárias!

Livros e músicas

Se vocês estão tímidos ou não sabem como abordar a criança, existem alguns livros e músicas que podem ajudar a introduzir o assunto. No entanto, eles devem servir apenas como ferramenta, pois a melhor forma de fazer a criança entender é por meio do diálogo. A seguir você pode conferir algumas sugestões:

Os livros “Vou ganhar um irmãozinho! Menino ou menina?”, de Mimy Doinet, da editora Girassol conta a história da menina Carol ao saber que vai ganhar um irmão. A coleção conta com um álbum de recordações onde o primeiro filho pode contar sua experiência com o irmão.

Outra dica de livro é “O que é que eu faço, Afonso?”, de Sônia Barros, da Editora Atual. O livro fala da história de Clara, uma menina de 6 anos, que acredita ter perdido o amor dos pais por causa do irmãozinho que chegou e desabafa com seu ursinho chamado Afonso.

“Quero ser seu irmãozinho”, de Sandra Saruê, da editora Melhoramentos, também pode ser uma opção. Nele, o menino Guigo, de 6 anos, não sabe lidar com o nascimento do caçula e, de tanto ciúme, ele decide se transformar em um bebê.

O livro “Vou Ganhar um Irmãozinho”, escrito por Keys Gray, da editora Panda Books,  tem uma história um pouco diferente, pois ele mostra como o bebê se desenvolve na barriga da mãe e como a vida de toda família se transformar com sua chegada.

Você também pode escrever uma história para o seu filho primogênito contando a novidade. Se ele não gostar da notícia, a família pode continuar escrevendo a história junta. “É importante deixar ele manifestar os sentimentos que tiver sobre o bebê. Se quiser chamar o futuro irmão de bobo, chato ou outra coisa, os pais podem entrar na brincadeira. Quando os ânimos estiverem mais calmos, é hora de olhar a história junto com ele. Se ele disser que os pais vão deixar de amá-lo quando o segundo filho nascer, explique que não é verdade, que cada criança é única e insubstituível”, explica Cristiane.

O grupo “Palavra Cantada” tem uma música chamada “Irmãozinho”. Nela, o filho mais velho recebeu a notícia dos pais e não está muito contente. A situação da música pode ser usada para você mostrar empatia pelo momento que a criança está passando. “Se os pais tiverem compreensão pelos sentimentos do filho, ele se sentirá mais seguro, acolhido e compreendido”, diz a psicóloga.

Usar exemplos práticos

Se o seu filho tiver um amiguinho que tenha passado pela mesma situação, você pode mencionar a história dele. Algo como: “Lembra daquele seu amigo que ganhou um irmãozinho”. Esse tipo de abordagem também pode facilitar o momento de dar a notícia.

O que não fazer

Um erro muito comum é valorizar o irmão que ainda não nasceu. Acredite, essa pode ser a última coisa que seu filho quer escutar e pode deixá-lo muito inseguro e com raiva.

Valorize o mais velho, relembrando o momento que a família descobriu que você estava grávida, o sentimento do primeiro chute, quando você o segurou nos braços pela primeira vez. E explique que agora ele fará parte de todos esses momentos com um novo irmão. Outro engano é não levar em consideração o momento da vida que seu filho está e sair contando a notícia, sem ao menos se atentar se a criança sabe o que é um irmão. Caso esse seja o seu caso, explique para ele o que significa ter um irmão.

É importante não mudar a rotina da criança depois que o filho nascer. A baby planner Daniele Jafet, mãe de Maria Pietra e Stephano, sugere que os pais não coloquem o filho mais velho na escola assim que o bebê chegar. O melhor é fazer isso antes de ele nascer ou um pouco depois. “A criança pode achar que os pais não querem que ela fique em casa, por isso estão levando ela para a escola”, conta.

Inclusão é a solução

Se o seu filho está achando um saco a ideia de ter um irmão, você pode incluí-lo nas etapas da sua gravidez, pedindo a ele que ajude a escolher o nome do bebê ou levando ele para comprar uma roupinha, dizendo que agora ele é o irmão mais velho e ocupa um papel muito importante na família.

    -Publicidade-