De partir o coração! Grávida morre de covid-19 após ser infectada em chá de fraldas surpresa

A mulher que estava no 8° mês de gestação no dia da festa, não resistiu e precisou ser submetida a um parto induzido para salvar o bebê. Entenda como tudo aconteceu e como a família está lidando com o momento difícil!

Resumo da Notícia

  • Mulher não resiste após pegar covid-19 em chá de fraldas
  • Uma colega estava doente e mesmo assim foi a festa
  • Grávida de 8° meses precisou se submeter a um parto induzido

Em abril de 2020, foi confirmado pelos profissionais da saúde de gestantes e puérpera fazem parte do grupo de risco para covid-19, o que torna a situação da quarentena ainda mais rigorosas para as mulheres grávidas. Para a professora de 31 anos, Camila Graciano, todo cuidado era pouco para manter sua primeira gravidez, saudável e segura. Infelizmente, por conta de uma quebra da quarentena que parecia ter um motivo feliz, o final foi doloroso.

-Publicidade-
Camila estava seguindo a quarentena até pouco antes da festa (Foto: Reprodução/ Facebook)

Camila, que é de Anápolis, Goias, estava grávida de 8 meses quando recebeu uma festa “chá de fraldas“, surpresa das amigas de trabalho. Ela que tomou todos os cuidados durante 5 meses, achou que a comemoração não seria de nenhum risco. No entanto, infelizmente uma das convidadas, mesmo sem apresentar sintomas, estava com covid-19 e acabou infectando a gestante.

“Logo depois, ela ficou muito ruim e os familiares avisaram às meninas que participaram do chá. Infelizmente, minha irmã foi uma das infectadas”, contou Daniel Ambrósio, irmão da vítima, ao portal do G1. Com sintomas graves, ela foi levada para UTI da Santa Casa, onde precisou ser submetida a um parto induzido. “Graças a Deus minha sobrinha apresenta bons sinais, está respirando sozinha na incubadora, não precisa de balão de oxigênio”, contou sobre a recém-nascida, Helena.

-Publicidade-

Após o parto, Camila teve uma melhora significativa no quadro, o que trouxe esperança para família. Mas infelizmente, a situação não durou por muito tempo. “Logo na sexta-feira ela começou a ter uma leve piora, como se o vírus tivesse sofrido uma mutação no corpo dela muito forte, e ela não teve chance”, contou Daniel, sobre o falecimento da irmã.

-Publicidade-