Estudo mostra que partículas de poluição podem ficar acumuladas na placenta

O estudo foi realizado com 25 placentas de mulheres que moram em centros urbanos e próximas à natureza

Os pesquisadores encontraram grande quantidade de partículas de carbono aglomerado nas placentas (Foto: reprodução / Getty Images)

Um novo estudo realizado por cientistas da universidade belga Hasselt foi publicado na última terça-feira, 17 de setembro, pela revista cientifica Nature. A pesquisa mostrou que a poluição do ar pode alcançar o feto dentro da placenta, prejudicando o seu bebê mesmo antes dele nascer.

-Publicidade-

É isso mesmo! Apesar da membrana proteger os bebês, ela não impede completamente o contato das partículas de carbono, emitidos pela queima de combustíveis. As consequências podem ser fatais, podendo ocorrer a má formação de órgãos, nascimentos prematuros e até aumentar a chance de abortos.

A pesquisa consistiu na analise de 25 placentas de mulheres não fumantes que moravam nos centros urbanos e mais próximas da natureza. Os responsáveis notaram uma aglomeração de partículas de carbono muito grande nas placentas. Além disso, os resultados mostraram que a contaminação era duas vezes maiores em gestantes que residiam em áreas poluídas.

-Publicidade-

Fique por dentro do conteúdo do YouTube da Pais&Filhos:

Leia também:

Pesquisadores da Unicamp encontram zika vírus na placenta de grávidas com resultado negativo para a doença 

Pesquisa revela que crianças em contato com a natureza são menos hiperativas

Pesquisa prova o quanto leite de doadoras ajuda no desenvolvimento de bebês prematuros: “É bom igual o da mãe” 

-Publicidade-