Ex-mulher Pera precisa tomar mais de 700 injeções para segurar gestação por causa de diagnóstico

Suélem Cury, ex-mulher Pera, foi diagnosticada com trombofilia quando descobriu a gravidez, e por isso precisou tomar mais de 700 injeções para evitar a coagulação do sangue

Resumo da Notícia

  • Suélem Cury, ex-mulher Pera, está grávida do primeiro filho
  • Ela foi diagnosticada com trombofilia
  • A ex-mulher Pera precisou tomar mais de 700 injeções para segurar a gravidez

Suélem Cury, ex-mulher Pera, está grávida do primeiro filho, mas desde que descobriu que a gravidez é de risco, ela precisou tomar mais de 700 injeções para segurar a gestação. Isso ocorreu porque Suélem foi diagnosticada com trombofilia, e precisou tomar as injeções para evitar a coagulação do sangue.

-Publicidade-

A ex-mulher Pera foi internada no Pro Matre, em São Paulo, para ficar em observação na reta final da gestação. “Graças a Deus existe anticoagulante para salvar meu filho(a)! Pra quem não sabe, tenho uma doença chamada Trombofilia, que é uma predisposição para a formação de coágulos no sangue. Se não tratado, pode dar um AVC, uma embolia pulmonar e passar por abortos repetitivos. No ano passado, eu não sabia que tinha essa doença e acabei perdendo uma filha, mas Deus é tão bom que me ajudou a engravidar novamente e agora com esse tratamento (FIV), estou a poucos dias de ter meu milagre em meus braços!”, escreveu ela no Instagram.

Ex-mulher Pera precisou tomar mais de 700 injeções para segurar gestação
Ex-mulher Pera precisou tomar mais de 700 injeções para segurar gestação (Foto: Reprodução/Instagram @mulherperaoficial)

Suélem e o marido, Jamil Cury, ainda não sabem se terão menino ou menina. Para engravidar aos 35 anos, após um aborto espontâneo, ela recorreu à fertilização in vitro e assim descobriu a doença. “Fertilização in vitro e mais o tratamento de trombofilia… Eu agradeço muito a Deus e aos médicos que estão cuidando de mim. Agradeço ao meu marido que sempre esteve ao meu lado me apoiando em TUDO o que faço, aos parentes e a alguns amigos que me deram força para continuar nessa luta”, disse Suélem, que já parou com o anticoagulante para não ter maiores problemas durante o parto.

Prestes a se mudar para uma mansão no Morumbi, bairro nobre da capital paulista, ela, hoje dona de uma loja de cristais de luxo, teve que pausar a rotina em prol da reta final da gravidez e a realização do sonho de ser mãe: “A caminhada é longa… São muitas inseguranças, medos e até mesmo, por diversas vezes, desanimo. Mas quando você está ao lado de alguém que te apoia, que se faz presente o tempo todo, te incentiva e que quando você desmorona, está presente, enxuga as suas lágrimas e te dá força pra seguir em frente, aí o mundo fica mais leve”.

Trombofilia na gravidez

Você descobriu que está grávida, contou para a família toda, pensou no enxoval e na lista de exames para checar sua saúde e a do bebê. Mas se durante esse caminho, ficou faltando o exame de prevenção à trombofilia, volte uma casa. Isso porque, segundo o Ministério da Saúde, as gestantes são até cinco vezes mais propensas a sofrer com a condição, que pode trazer diversas complicações tanto para a mãe quanto para o bebê durante a gravidez: pré-eclâmpsia, inchaço e alterações na pele, desprendimento da placenta, restrição no crescimento do feto, aborto e parto prematuro. Para ler mais sobre a condição, clique aqui!