Gravidez

Grávida de 5 meses está entre os desaparecidos em Brumadinho: “Ninguém consegue acreditar ainda”

Fernanda estava aproveitando as férias na pousada que foi atingida pela lama

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Grávida ainda não foi encontrada em Brumadinho (Foto: Reprodução/Facebook)

O clima de tensão parece não chegar ao fim desde o rompimento da barragem em Brumadinhos. As famílias tentam manter a calma e continuar as buscas com esperança, mas não é fácil.  Até o momento, há já foram confirmados 60 mortos e quase 300 pessoas seguem sem notícias.

Fernanda Damiam, de 30 anos, está grávida de cinco meses. Ela e o noivo, Luiz Taliberto, moram há 3 anos na Austrália e escolheram a pousada Nova Estância, que fica próxima a Mina do Feijão, para aproveitar as férias. O local, que fica perto de onde a barragem foi rompida, foi destruído pela lama. A estimativa é que 35 estavam lá, entre eles, a gestante.

“Está sendo muito doloroso para a família, ela é uma pessoa muito especial para todos”, disse a amiga de Fabiana, Gabi Stagine, em entrevista à Pais&Filhos.

“Muito triste, ninguém consegue acreditar ainda. Ela estava muito feliz, grávida de 5 meses, ia marcar a data do casamento. Sem palavras”, escreveu Gabi no Facebook.

Por volta das 11 horas foi o horário que Fernanda mandou sua última mensagem no WhatsApp avisando que tinha chegado bem. Depois disso, ela não retornou mais. O noivo, assim como os sogros e a cunhada, também não deram noticia. Ele já estava lá com a família, mas não informou que já estava no local.

Apesar de nenhum deles constar entre os 19 mortos identificados pela Polícia Civil, a rede Number One divulgou uma nota informando a morte do proprietário da pousada, Márcio Paulo Mascarenhas, além da mulher dele e de um filho. Já sobre Fernanda, não há notícias.

Leia também: 

Papa Francisco lamenta tragédia em Brumadinhos e faz oração pelas vítimas

Filho de homem desaparecido em Brumadinho faz vaquinha para tentar chegar à cidade

Brumadinho: voluntários ajudam famílias desabrigadas depois do rompimento de barragem