Grávidas que tomaram 1ª dose da vacina de Oxford devem esperar o fim do pós-parto para a 2ª

A decisão do ministério foi em busca de resolver um impasse criado depois que o governo determinou que a vacinação de grávidas e de puérperas deve ser restrita somente às mulheres com comorbidades (doenças pré-existentes)

Resumo da Notícia

  • Nesta quarta-feira, 19 de maio, o Ministério de Saúde suspendeu a vacinação de gestantes e puérperas que tomaram 1ª dose da vacina de Oxford
  • A decisão reforça que as gestantes que já tomaram a vacina da AstraZeneca deverão tomar a 2ª dose com o mesmo imunizante após o puerpério
  • Ainda, de acordo com o ministério, até 10 de maio mais de 15 mil grávidas foram vacinadas com o imunizante da AstraZeneca no Brasil

Nesta quarta-feira, 19 de maio, o Ministério da Saúde disse que as gestantes e puérperas, incluindo as sem fatores de risco adicionais, que tomaram a primeira dose da vacina contra covid-19 da AstraZeneca, esperem o fim da gravidez e do período puerpério (até 45 dias pós-parto) para completar o esquema vacinal com o mesmo imunizante.

-Publicidade-

A decisão do ministério foi em busca de resolver um impasse criado depois que o governo determinou que a vacinação de grávidas e de puérperas deve ser restrita somente às mulheres com comorbidades (doenças pré-existentes). Não só, mas que elas também devem receber apenas as vacinas CoronaVac e Pfizer.

Grávidas que tomaram a vacina de Oxford devem esperar fim do pós-parto para 2ª dose do mesmo imunizante (Foto: Getty Images)

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

Ainda, de acordo com o ministério, até 10 de maio mais de 15 mil grávidas foram vacinadas com o imunizante da AstraZeneca no Brasil. A regra vai valer até que sejam concluídas as análises de um caso raro de morte de uma gestante de 35 anos por causa de um acidente vascular cerebral hemorrágico (AVC) que pode ter ligação com o uso dessa vacina.

O óbito ainda está sendo investigado e, segundo o governo federal, ainda não é comprovado que a complicação na gestante tenha sido causada pelo imunizante. Antes da determinação, em 26 de abril, o ministério decidiu incluir todas as grávidas e puérperas (mulheres no período pós-parto) no grupo prioritário para receber a vacina contra a covid-19. Em 15 de março, o governo já tinha incluído as gestantes com comorbidades.