;
Gravidez

Mãe conta como conseguiu um novo emprego no final da gestação e aconselha: “Não tenha medo de arriscar”

Jean conseguiu o cargo que queria duas semanas antes de seu filho nascer

Emily Santos

Emily Santos ,filha de Maria Teresa e Francisco

Jean conta como foi o processo para a busca de um novo emprego. (Foto: Reprodução / Getty Images)

Jen Watts Welsh é a prova que a gravidez não deveria ser problema para nenhuma mulher e que elas podem, sim, ir atrás dos seus sonhos mesmo na durante a gestação. Ela buscava uma oportunidade de sair de seu antigo emprego e conquistar uma posição de liderança no mundo da publicidade.

Em seu sexto mês de gravidez, Jen começou a ir atrás de falar com recrutadores e ex-colegas de trabalho em busca de uma nova opção de emprego. No oitavo mês de gestaçao, ela recebeu uma proposta concreta e começou a trabalhar como Diretora de Estratégia do Grupo da Heat. Tudo isso duas semanas antes de dar a luz a sua segunda filha.

Em entrevista para a Fast Company, a executiva contou toda a sua jornada em busca de um novo emprego em um cargo ainda maior. Ela também explicou como surgiu a coragem para sair de seu antigo trabalho, mesmo sabendo da dificuldade que mulheres grávidas ainda enfrentam em relação ao mercado de trabalho.

“Pelas normas da nossa sociedade, uma profissional descobre que está grávida e tem que permanecer na sua posição atual, quer ela goste ou não. Ela fica por causa da licença-maternidade e do plano de saúde. E porque tem medo da rejeição”, comenta Jen durante a entrevista.

Aos três meses de gravidez, ela decidiu que queria procurar um novo emprego. Porém, ainda com muito receio. A americana pretendia começar realmente em um novo lugar somente depois da gravidez e iria usar a sua licença-maternidade para isso. Ela pensava exatamente como a maioria das mulheres nesta posição – que seria praticamente impossível começar em um novo emprego naquele momento.

“Eu abria as conversas dizendo que estava grávida e dizendo que estava explorando possibilidades, mas não agora, claro. Então acabei contribuindo para estabelecer minhas próprias limitações”, disse ao Fast Company.

Foi quando ela percebeu que isso não adiantaria de nada, e resolveu tomar uma atitude. Seu ex-colega estava fazendo seleções para um emprego para a agência de publicidade Heat. Jen decidiu escrever falando que tinha interesse para começo imediato. Aquilo fez com que ela ficasse assustada, porém mais confiante em si mesma.

Depois da entrevista, a resposta foi positiva e imediata: a futura mãe tinha conseguido o emprego que tanto desejou. “Sei que tive muita sorte. Nem todas as mulheres têm chefes tão flexíveis. Experimentei uma sensação imediata de respeito e lealdade à minha nova empresa. Percebi que sua cultura valorizava as mulheres e as mães.”

Jen diz que empresários e recrutadores, principalmente do sexo feminino, estão apostando em mulheres grávidas. E que elas não precisam ter medo. “Apostem no seu crescimento profissional”, aconselha. Ela diz que isso fez com que se sentisse uma nova mulher. “As oportunidades estão sempre em aberto e alguma delas pode se encaixar com você e o seu perfil”.

Leia também

Mães ao trabalho: depois de ser demitida, ela se reinventou e voltou realizada ao mercado de trabalho 

Cris Guerra desabafa: “O mercado de trabalho não aprendeu a ser mãe” 

Dúvidas e dilemas sobre trabalho e maternidade: Você também tem?