Mãe de bebê com meio coração desabafa após ‘perder’ tratamento gratuito: “Desamparada e com medo”

Gabriella Castro Silva, de 30 anos, de Senador Canedo, estava preparada para dar à luz Elisa na manhã desta quinta-feira, 4 de fevereiro

Resumo da Notícia

  • Gabriella Castro Silva, de 3o anos, de Senador Canedo, estava preparada para dar à luz Elisa na manhã desta quinta-feira, 4 de fevereiro
  • No entanto, uma notícia que ela recebeu na última terça-feira mudou os planos da família
  • A família até tentou entrar na justiça contra o plano de saúde que pagaria pelos procedimentos, mas perdeu

Gabriella Castro Silva, de 30 anos, de Senador Canedo, estava preparada para dar à luz Elisa na manhã desta quinta-feira, 4 de fevereiro, no entanto, uma notícia que ela recebeu na última terça-feira mudou os planos da família. A bebê foi diagnosticada com Síndrome da Hipoplasia do coração esquerdo, conhecida como síndrome do meio coração.

-Publicidade-

O parto da bebê e a cirurgia necessária logo após o parto seriam realizados na unidade de saúde e custariam mais de R$ 600 mil. A família até tentou entrar na justiça contra o plano de saúde que pagaria pelos procedimentos, mas perdeu. Agora, sem ter como pagar, nem voltar para Goiás, eles estão desesperados.

Ela ficou desamparada (Foto: Reprodução/ O Popular)

A mãe tinha conseguido uma liminar deferida pelo juiz Thulio Marco Miranda, de Senador Canedo. Assim, a grávida foi para São Paulo com a ajuda de rifas e doações (e tem vivido disso na cidade desde o dia 20 de janeiro). No entanto, o estado de Goiás derrubou a liminar na última terça-feira, 2 de fevereiro.

A notícia chegou exatamente 24h antes da internação da Gabriella. “Eu estou me sentindo completamente desamparada e com medo. Eu seria internada na quinta-feira às 8h e fui informada pelo meu advogado sobre a nova decisão. O hospital também entrou em contato comigo dizendo que não seria possível dar alta na minha unidade. O plano de saúde não teve capacidade de deixar segunda opção, simplesmente me deixou aqui. Existe risco de passar a hora do meu parto e eu não ter pra onde ir com a minha filha. Me abandonaram, me largaram”, explicou a mulher.