Mãe de grávida de 8 meses que foi encontrada morta sem bebê no ventre pede: “Que seja devolvida”

Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos, foi encontrada morta no final do ano passado. Investigações da polícia apontam que o bebê não estava no ventre da mãe quando ela faleceu e agora a avó se pronuncia sobre o caso

Resumo da Notícia

  • As investigações sobre a morte de Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos, continuam
  • A polícia descobriu que o bebê não estava no ventre da mãe quando ela morreu
  • A mãe de Thaysa fez um apelo para que o bebê seja devolvido

Meses após a polícia ter encontrado o corpo de Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos, as investigações ainda continuam. As últimas notícias sobre o caso mostram que o bebê que ela estava esperando não estava em seu ventre quando morreu e, com isso, surgem novas possibilidades para o crime.

-Publicidade-

Thaysa foi encontrada morta em setembro de 2020 em um córrego ao lado da linha férrea, em Deodoro, na Zona Norte do Rio. O fato foi confirmado, segundo o laudo, no exame feito por legistas no Instituto Médico-Legal, no Centro do Rio. Ainda segundo o portal, a perícia feita no corpo da jovem também não encontrou vestígios de placenta, ou cortes na barriga, que pudessem indicar a retirada do feto por ato cirúrgico.

Em entrevista à UOL, a mãe de Thaysa fez um apelo: “Essa criança pode estar viva em algum lugar. Eu peço pelo amor de Deus que, se essa criança estiver viva em algum lugar, que ela seja devolvida. Eu preciso da minha neta”, disse a psicopedagoga Jaqueline Tavares Campos, de 51 anos.

(Foto: Reprodução / Extra)

A polícia afirmou que o corpo de Thaysa foi encontrado em estado de putrefação, mas a causa da morte ainda não foi revelada. “Se ela estava grávida e foi a óbito com o bebê ali, isso seria evidentemente relatado na necropsia. Considerando esse dado e o laudo necroscópico, a questão está parecendo que a criança foi roubada. Tudo indica que alguém esperou ela dar à luz, mataram e levaram a criança”, explica Marcos Camargo, presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais.

“Agora fica ainda mais importante saber a causa da morte, por isso tem que aguardar o resultado do laboratório, para saber se foi envenenada ou se houve algum outro tipo de problema”, afirmou o presidente Camargo.