Mãe dá à luz no oceano e explica motivo da decisão: veja o vídeo do parto

Josy Peukert deu à luz enquanto estava sentada em uma praia e disse que a experiência foi ‘livre de preocupações’ – mesmo que alguns afirmam que era ‘anti-higiênico’

Resumo da Notícia

  • Uma mãe foi criticada na internet após fazer um parto humanizado na praia
  • Josy Peukert, é mãe de 4 filhos, e admitiu que de todas as experiências essa foi a melhor
  • Muitas pessoas na internet alegaram que era 'nojento' ou 'nada higiênico' mas a mãe rebateu as críticas

Uma mãe que deu as boas-vindas ao filho ao mundo no oceano disse que sua experiência foi “livre de preocupações” e a fez “sentir-se muito bem” – apesar dos comentários de alguns que afirmam que não era “higiênico”. Josy Peukert, 37, viralizou depois de postar um vídeo no Instagram mostrando como ela e seu parceiro dirigiram até a costa de Paya Majagual, na Nicarágua, para que a mulher pudesse dar à luz na água com as ondas batendo em suas costas.

-Publicidade-

O vídeo, que foi visto mais de 200.000 vezes, também mostrou Josy passando por contrações e, embora ela possa parecer com dor nas imagens, a mãe insistiu que o ritmo das ondas combinado com suas contrações foi uma experiência bastante agradável. Ela contou ao jornal The Mirror: “As ondas tinham o mesmo ritmo das contrações, esse fluxo suave me fez sentir muito bem. Eu tive essa ideia na minha cabeça que eu queria dar à luz no oceano e porque as condições estavam certas no dia foi o que eu fiz.”

Mãe divide opiniões após realizar parto humanizado na praia: “Não é nojento”
Mãe divide opiniões após realizar parto humanizado na praia: “Não é nojento” (Foto: Reprodução/Instagram @raggapunzel)

A mãe de quatro filhos deixou eles para ficar com amigos assim que soube que estava em trabalho de parto, e ela e seu parceiro Benni Cornelius, 42, foram até a praia com um kit para o parto – incluindo toalhas, uma tigela com uma peneira para pegar a placenta, gaze e toalhas de papel. Josy e Benni deram as boas-vindas ao filho, Bodhi Amor Ocean Cornelius, na água em 27 de fevereiro, antes de fazer as malas e voltar para casa.

E a mãe disse que a experiência de parto foi “livre de preocupações”, sem médicos ou parteiras envolvidas, o que foi uma grande diferença para ela em comparação com os partos anteriores que ela enfrentou. Ela explicou: “Depois que Bodhi nasceu e embrulhei ele em toalhas, voltei para o oceano para me refrescar. Então me vesti, empacotamos tudo e voltamos para casa, onde nós três fomos direto para a cama. Eu queria ficar livre de preocupações pelo menos uma vez. Meu primeiro parto foi traumático em uma clínica e meu segundo parto foi em casa, mas no terceiro, até uma parteira em minha casa era demais.”

“Desta vez não tive consultas médicas ou exames ou influência externa. Não tínhamos uma data de vencimento ou prazo para o bebê chegar, apenas confiávamos que nosso bebê chegaria. Eu não tinha medos ou preocupações para receber uma nova pequena alma em nossas vidas, apenas eu, meu parceiro e as ondas. Foi bonito. A areia vulcânica macia me lembrou que não há mais nada entre o céu e a terra, apenas a vida.”

Josy compartilhou o vídeo na internet dois dias após o nascimento de Bodhi em sua conta do Instagram, onde foi recebida com alguns comentários de pessoas preocupadas se o nascimento do pequeno era ou não “sanitário”. Uma pessoa perguntou: “Isso é higiênico? Há muitas bactérias no mar”. Enquanto outro disse: “Que choque para aquele bebê – de um útero quente para o oceano frio”.

Segundo a mãe, essa foi a melhor experiência que ela teve
Segundo a mãe, essa foi a melhor experiência que ela teve (Foto: Reprodução/Instagram @raggapunzel)

Mas a mãe rapidamente respondeu afirmando que seu filho está “perfeitamente saudável”: “Bodhi nasceu no sol do meio-dia quando estava cerca de 35 graus, não estávamos preocupados com o fato de ele estar com frio e eu não tinha preocupações com infecções transmitidas pela água. Ele está perfeitamente saudável.”

“Eu fiz todas as pesquisas que eu precisava para ter certeza de que era seguro. A água é uma barreira que é medicamente comprovada. Para mim e este bebê, eu queria me sentir completamente conectada pelo meu próprio cuidado autodirigido. Esta gravidez foi o maior presente que poderíamos ter imaginado e desejado.”