Mãe que está quase dando à luz relata preocupação por não ter onde morar

A jovem foi despejada da casa do irmão e está morando nas ruas, prestes a entrar em trabalho de parto

Resumo da Notícia

  • Mulher grávida é despejada da casa do irmão e não tem onde morar
  • Amy foi atrás de ajuda para obter um lar
  • Associações de habitações já estão recorrendo o caso

A britânica, Amy Beardwood, de 27 anos, foi despejada da casa onde estava cuidando do irmão e tem previsão de dar à luz em apenas duas semanas, não tendo um lugar para ficar. Ela relata estar tendo dificuldades para encontrar um novo lar e que tem chorado todos os dias pela situação.

-Publicidade-

De acordo com o Liverpool Echo, ela havia se mudado originalmente de outra acomodação social para cuidar de irmão deficiente após o falecimento da avó, em março deste ano. No entanto, depois que Amy descobriu que estava grávida e não podia dar ao irmão – que tem curvatura da coluna vertebral, problemas de mobilidade junto com TDAH e autismo – os cuidados de que precisava, decidiu-se que ele seria colocado em uma vida com sustento. O irmão se mudou em julho, e a Cobalt Housing, associação responsável pelo local, começaram a pedir que ela deixasse o local.

Mãe que está quase dando à luz relata preocupação por não ter onde morar
Mãe que está quase dando à luz relata preocupação por não ter onde morar, após ser despejada da casa do irmão (Foto: Getty Images)

A associação encerrou o contrato no dia 10 de outubro e por Amy não estar sob contrato de locação, deram a ela três semanas para partir. Ela disse: “Depois que minha avó faleceu, me mudei para cuidar do meu irmão, mas quando descobri que estava grávida e não seria capaz de cuidar de suas necessidades de cuidados, foi tomada a decisão de que ele se mudaria para apoiado vivo. Agora, a Cobalt está me dizendo para ir embora e está me deixando sem-teto com 34 semanas de gravidez avançada, chegando ao inverno”, disse Amy que sofre de depressão, disse que ficou chorando todos os dias e extremamente estressada devido à situação.

Ela entrou em contato com a Câmara Municipal de Liverpool, Cobalt Housing e Knowsley Council para obter ajuda, mas disse que tem estado ‘correndo contra paredes’ tentando obter respostas. Também afirmou estar triste e preocupada com toda a situação. “Disseram-me que poderia ter um trabalho de parto prematuro devido a todo o estresse, não tenho a quem recorrer e ninguém está me ajudando”, disse.

Um porta-voz da Cobalt Housing Association disse: “Estamos cientes deste caso complexo e estamos trabalhando com todas as partes envolvidas para apoiar a Sra. Beardwood de todas as maneiras que pudermos para garantir o melhor resultado para ela. Além dele, a Câmara Municipal de Liverpool também afirmou: “Os oficiais de habitação estão investigando este caso para encontrar uma alternativa adequada para o indivíduo em questão”.

Amy diz que está preocupada se os conselhos não intervirem e não ter para onde ir. “Não tenho nenhuma família que possa ajudar e não estou trabalhando no momento, então literalmente não tenho para onde ir”, afirmou preocupada. Já no Brasil, há projetos sociais que abrigam mulheres grávidas que não tem onde morar, com auxílio para criar os filhos com saúde e segurança.